Menu
Política & Poder

TSE proíbe ‘deep fake’ e robôs nas campanhas

Outra novidade é a restrição ao uso de robôs na campanha, seja para intermediar o contato com eleitores ou simular diálogos com candidatos

Redação Jornal de Brasília

28/02/2024 7h38

Foto: Divulgação/TSE

O Tribunal Superior Eleitoral aprovou na terça-feira, 27, resolução que regulamenta o uso de inteligência artificial por candidatos e partidos a partir das eleições deste ano. A Corte proibiu expressamente a disseminação de fake news manipuladas por IA, as chamadas deep fakes. Estão vedados “conteúdos sintéticos, em formato de áudio, vídeo ou combinação de ambos, que tenham sido gerados ou manipulados digitalmente, ainda que mediante autorização, para criar, substituir ou alterar imagem ou voz de pessoa viva, falecida ou fictícia”.

Candidatos e partidos também precisam identificar conteúdos produzidos por IA. Outra novidade é a restrição ao uso de robôs na campanha, seja para intermediar o contato com eleitores ou simular diálogos com candidatos. O TSE determinou ainda que provedores devem tirar do ar, com “agilidade”, conteúdos vedados

Indígenas

A Corte decidiu que também é obrigatória a distribuição proporcional dos fundos eleitoral e Partidário e do tempo de propaganda no rádio e TV para candidaturas indígenas. Os ministros iriam decidir se a mudança começa a valer este ano ou se é necessário prazo maior para a implementação.

Folha Conteúdo

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado