Política & Poder

Panelaços voltam em protesto contra parlamentares

Por Agência Estado 01/12/2016 10h24

Sem convocação de grupos organizados como Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua, as panelas voltaram a ser ouvidas em capitais brasileiras na noite desta quarta-feira, 30. Convocados por internautas por meio do Twitter e Facebook, os panelaços foram registrados entre 20h e 21h. O foco dos protestos foram os parlamentares que modificaram o projeto anticorrupção.

Nas redes sociais, os internautas divulgaram o ato para as 20h30. Com a hashtag #panelaço, os tweets se concentraram em São Paulo e no Rio – alguns dos registros foram divulgados em vídeo pelos internautas.

Em São Paulo, houve panelaço em Pinheiros, Lapa e Pompeia, na zona oeste, nos Jardins e Moema, zona sul, e também na Avenida Paulista, Higienópolis e Santa Cecília, na região central. No Rio, além do ato com as panelas, também foram registrados buzinaços e panelaços em Copacabana, Leblon, Flamengo e Gávea, na zona sul, em Humaitá, zona norte, e Barra da Tijuca, zona oeste.

A decisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de pedir urgência para votar na Casa o pacote anticorrupção aprovado pela Câmara também motivou os protestos. O requerimento, porém, foi rejeitado pelos senadores.

Usuários chegaram a dizer que o protesto é favorável à continuação da Operação Lava Jato e contra o presidente Michel Temer. “Esquerda e direita mais unidas do que nunca”, escreveu Léo Brossa, do Rio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas ruas

Os protestos voltarão às ruas neste domingo. As três maiores organizações, Vem Pra Rua, MBL e Nas Ruas, convergem em dois pontos nas demandas que serão levadas à Avenida Paulista: defesa “intransigente” da Lava Jato e crítica ao Legislativo, que estaria desfigurando as dez medidas contra a corrupção.

Carla Zambelli, líder do grupo Nas Ruas, disse que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), serão o alvo. “Faremos campanha contra a recondução de Rodrigo Maia à presidência da Câmara”, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Vem Pra Rua, que promete reunir manifestantes em cem cidades, adotou como palavra de ordem o apoio “total e irrestrito” à Lava Jato. O MBL, que ainda não definiu sua participação na manifestação, usou as redes sociais nesta quarta para criticar os senadores. Renan foi chamado de “capitão do golpe” e Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, foi acusado de ter feito “parte do acordo” para modificar as dez medidas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadao Conteudo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar