Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Em carta, Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

Meta é semelhante àquela que havia sido prometida pelo governo de Dilma Rousseff na assinatura do Acordo de Paris sobre o clima, em 2015

Foto: Reprodução/Redes sociais

Em carta enviada ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o presidente Jair Bolsonaro prometeu dar fim ao desmatamento ilegal no Brasil até 2030.

“Queremos reafirmar, nesse ato, em inequívoco apoio aos esforços empreendidos por V. Excelência, o nosso compromisso de eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030”, escreveu Bolsonaro, segundo trecho da carta divulgado pela Folha de S. Paulo.

“Reitero o compromisso do Brasil e do meu governo com os esforços internacionais de proteção do meio ambiente, combate à mudança do clima e promoção do desenvolvimento sustentável. Teremos enorme satisfação em trabalhar com V. Excelência em todos esses objetivos comuns”, prosseguiu o presidente.

O governo federal tenta obter financiamento dos Estados Unidos para a preservação da Amazônia, mas a Casa Branca exige metas concretas de combate ao desmatamento ilegal para liberar o dinheiro.

Em setembro passado, o presidente havia afirmado que não aceitaria “subornos” para controlar a destruição da maior floresta tropical do planeta. Bolsonaro recuou até mesmo em seu discurso agressivo contra ONGs ambientalistas, a quem chegou a culpar, sem provas, pelas queimadas na Amazônia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Queremos ouvir as entidades do terceiro setor, indígenas, comunidades tradicionais e todos aqueles que estejam dispostos a contribuir para um debate construtivo e realmente comprometido com a solução dos problemas”, destacou o presidente, de acordo com a Folha. A cúpula ambiental de Biden será realizada entre os dias 22 e 23 de abril.

A meta de Bolsonaro é semelhante àquela que havia sido prometida pelo governo de Dilma Rousseff na assinatura do Acordo de Paris sobre o clima, em 2015, mas que vinha sendo ignorada pela gestão Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar