Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Deputada justifica ação que investiga Nelson Piquet: ‘Não podemos tolerar’

Em entrevista ao jornalista Ricardo Oliveira, em novembro de 2021, Nelson Piquet usou mais de uma vez o termo “neguinho”, considerado racista

Por FolhaPress 02/07/2022 5h41

Gabriel Carneiro
São Paulo, SP

Uma das responsáveis pela representação que tornou o ex-piloto Nelson Piquet alvo de denúncia junto ao Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios acusado por crime de discriminação ou preconceito, a deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) justificou neste sábado (2) a ação iniciada dias depois da viralização de uma entrevista em que Piquet chama o piloto inglês Lewis Hamilton de “neguinho”.

“Nelson Piquet é mais um exemplo de como funcionam os apoiadores do presidente: respondem com ódio sempre que podem. Não podemos tolerar esse tipo de fala num estado democrático. O racismo, que estrutura nossa sociedade, precisa ser combatido em todas as esferas”, disse Talíria Petrone, via assessoria de imprensa, ao UOL Esporte.

Petrone encabeçou a representação contra Nelson Piquet na Câmara dos Deputados ao lado das também deputadas federais pelo PSOL Áurea Carolina (MG) e Vivi Reis (PA). Ontem (1), o ex-piloto tornou-se alvo de denúncia no MP-DFT, que investigará sua conduta. A informação foi divulgada inicialmente pela jornalista Mônica Bergamo, na “Folha de S.Paulo”, e então publicada pelo UOL.

Em entrevista ao jornalista Ricardo Oliveira, em novembro de 2021, Nelson Piquet usou mais de uma vez o termo “neguinho”, considerado racista, e ainda foi homofóbico ao se referir a Lewis Hamilton. O teor da entrevista tornou-se público no último dia 27 e ganhou repercussão internacional.

“O neguinho [Lewis Hamilton] meteu o carro e não deixou [desviar]. O Senna não fez isso. O Senna saiu reto. O neguinho meteu o carro e não deixou [Verstappen desviar]. O neguinho deixou o carro porque não tinha como passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele foi que só o outro [Verstappen] se fodeu. Fez uma puta sacanagem”, afirmou o tricampeão mundial na entrevista de 2021.

O termo, quando usado de maneira pejorativa ou com a intenção de ofender, é considerado racista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O heptacampeão da Fórmula 1 Lewis Hamilton se pronunciou em português nas redes sociais para rebater a fala racista usada por Piquet. “É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Fui cercado por essas atitudes e alvo de minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação”, afirmou o piloto inglês.

Na última quarta-feira, Nelson Piquet havia divulgado um comunicado no qual se desculpava pelo uso do termo racista e afirmava que não teve intenção de ofender o britânico. Na quinta, o piloto Max Verstappen, que namora Kelly, filha de Piquet, afirmou que a fala racista do sogro havia sido uma ‘escolha ruim de palavras’.

Sobre a declaração de Talíria Petrone de que Piquet “é mais um exemplo de como funcionam os apoiadores do presidente”, o ex-piloto já chegou a dizer, em entrevista à RedeTV, que é “Bolsonaro até morrer” e no último Dia da Independência, em 7 de setembro de 2021, dirigiu o Rolls-Royce presidencial na chegada de Jair Bolsonaro (PL) à cerimônia de hasteamento da Bandeira Nacional.

A representação da bancada do PSOL diz que “a fala de Piquet merece repúdio de todos os que acreditam nos princípios constitucionais”. O MP-DFT agora iniciará a investigação interna. Nelson Piquet não comentou o assunto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar