Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Daniel Silveira vai receber medalha que já foi entregue a Carlos Drummond e Gilberto Freyre

A cerimônia será realizada na manhã desta sexta-feira (1º), na sede da instituição, no Rio de Janeiro

Por FolhaPress 30/06/2022 8h22
Foto: Luis Macedo/Agência Câmara

Mônica Bergamo
São Paulo, SP

O deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) vai receber a Medalha Biblioteca Nacional – Ordem do Mérito do Livro, da Biblioteca Nacional. A homenagem é historicamente concedida a acadêmicos, autoridades e intelectuais que contribuem para o universo da literatura. Entre eles estão os escritores Gilberto Freyre e Carlos Drummond de Andrade.

A informação foi confirmada pelo parlamentar à reportagem. “É uma honraria muito grande porque é em homenagem aos 200 anos da É uma coisa que vale muito a pena.” afirma. “Para mim é muito honroso ter o reconhecimento de lá”, segue.

A cerimônia será realizada na manhã desta sexta-feira (1º), na sede da instituição, no Rio de Janeiro. Neste ano, a honraria será entregue a 200 personalidades por ocasião do Bicentenário da Independência.

Procurada, a Biblioteca Nacional não compartilhou a lista com todos os homenageados, mas disse que os nomes foram escolhidos pelo presidente da instituição, Luiz Carlos Ramiro Júnior, e pelo secretário Especial da Cultura, Hélio Ferraz de Oliveira.

Silveira ainda não sabe se irá participar do evento. O deputado afirma que já tinha uma agenda prévia, mas vai tentar cancelar seus compromissos para receber o prêmio pessoalmente.

Em abril deste ano, o deputado foi condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a 8 anos e 9 meses de prisão, em regime inicial fechado, por ataques aos ministros da corte. Um dia depois, no entanto, recebeu um indulto do presidente Jair Bolsonaro (PL).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A lista de convidados da cerimônia inclui o ex-secretário de Cultura e pré-candidato a deputado federal Mario Frias, o ministro do Turismo, Carlos Alberto Gomes de Brito, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, o cineasta Josias Teófilo e a presidente do Iphan, Larissa Peixoto, além do próprio presidente Jair Bolsonaro.
Em 1985, quando Carlos Drummond de Andrade foi agraciado com a medalha, a então diretora da Biblioteca Nacional, Maria Alice Barroso, celebrou a Assembleia Constituinte e as forças democráticas que se mobilizaram para que o país tivesse eleições diretas.

O trabalho dos ministérios da Cultura, da Educação e da Ciência e Tecnologia também foi exaltado em seu discurso, registrado e preservado pela instituição.

“Vejo na preservação de nossa cultura letrada, de nossas artes plásticas, de nossa literatura de cordel, no estímulo à manutenção das nossas tradições populares, na chamada cultura popular que está indissoluvelmente ligada à cultura erudita a ponto de não haver áreas estanques, vejo na tecnologia hoje existente a melhor forma de preservar, estimulando, a impedir o seu desaparecimento”, disse Maria Alice Barroso em 1985.

Criada há 212 anos, a Biblioteca Nacional é a mais antiga instituição cultural brasileira. O cientista social Luiz Carlos Ramiro Júnior assumiu a presidência em março, um mês após a saída do monarquista Rafael Nogueira, que foi para a Secretaria Especial da Cultura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ramiro Júnior tem um canal no YouTube em que discute política. Em vídeo publicado durante a pandemia, afirmou que vivíamos uma “guerra bioideológica” e que havia exagero nas medidas tomadas para conter a Covid-19.

Ele levantou desconfiança de que o vírus poderia ser uma arma biológica e disse que a doença não matava idosos sem comorbidades, crianças e nem mulheres grávidas.








Você pode gostar