Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Bolsonaro se encontra com deputada de partido neonazista

Beatrix von Storch já havia se encontrado com Bia Kicis na semana passada, sinalizando uma união da extrema-direita a nível internacional

Por Willian Matos 26/07/2021 10h52
Foto: Reprodução/Instagram

O presidente Jair Bolsonaro se encontrou nesta segunda-feira (26) com Beatrix von Storch. Neta de Lutz Graf Schwerin von Krosigk, ministro das Finanças do governo Adolf Hitler, Beatrix é deputada do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD), investigado por propagar ideias neonazistas, e vem tendo reuniões com membros do governo federal brasileiro.

Beatrix registrou o encontro nas redes sociais e agradeceu Bolsonaro pela “amistosa recepção”. “Em um momento em que a esquerda está promovendo sua ideologia em nível global por meio de suas redes e organizações internacionais, nós, conservadores, também devemos trabalhar em rede mais estreitamente e defender nossos valores conservadores em nível internacional”, escreveu a extremista. O marido de Beatrix, Sven von Storch, também posou ao lado do presidente brasileiro.

https://www.instagram.com/p/CRyczsRNf18/

Na última quinta-feira (22), a deputada já havia se encontrado com os deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF). “Conservadores do mundo se unindo para defender valores cristãos e a família”, escreveu Kicis àquele dia. “Somos unidos por ideais de defesa da família, proteção das fronteiras e cultura nacional”, disse Eduardo.

O partido AfD nasceu em 2013, atraindo figuras da extrema-direita alemã. De lá para cá, a legenda se aliou e se vinculou com grupos neonazistas. Em março deste ano, o Departamento de Proteção à Constituição da Alemanha incluiu o AfD em uma lista de partidos considerados extremistas e/ou que ameaçam a democracia do país.

Tal qual o governo brasileiro, o AfD é contra o isolamento social para contenção da covid-19. “A AfD quer mostrar que essas orgias de proibição, esse aprisionamento, essa loucura de lockdown, que não há necessidade disso”, disse a colíder do partido, Jörg Meuthen.

A legenda também é contra a entrada de imigrantes na Alemanha. Eles chegaram a votar a favor da proibição total da entrada de parentes de refugiados que já foram aceitos. Um ex-membro, Christian Lüth, chegou a sugerir matar imigrantes “a tiros” ou “por gás”. Ele foi expulso da legenda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar