Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Bolsonaro e Moro não condenam greve da PM no CE

Bolsonaro, que foi rápido em condenar a ação da PM da Bahia na morte do miliciano Adriano da Nóbrega, não se manifestou sobre a ação de grevistas no Ceará

Brazil’s President Jair Bolsonaro and Brazil’s Justice Minister Sergio Moro gesture during a launching ceremony of public policies against violent crimes at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil August 29, 2019. REUTERS/Adriano Machado

Reina por ora um silêncio sepulcral por parte do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, quanto à ilegalidade da greve dos policiais militares do Ceará.

Bolsonaro, que foi rápido em condenar a ação da PM da Bahia na morte do miliciano Adriano da Nóbrega, não se manifestou sobre a ação de grevistas que atiraram num senador da República, Cid Gomes (PDT). Pelo contrário: nas redes sociais seus filhos se limitaram a condenar a ação de Cid, que avançou contra os grevistas com uma retroescavadeira, e a bater boca com o ex-presidenciável Ciro Gomes.

Existe um temor de que o governo federal estimule nos bastidores movimentos como o dos PMs cearenses, que reforçaria a crescente “militarização” do País. Bolsonaro reforçou a presença de militares no governo. Na reforma da Previdência atuou para criar condições especiais para policiais e militares.

Internamente o governo acompanha a greve com cautela. Moro mandou a Força Nacional de segurança ao estado, mas ainda não fez manifestação institucional quanto ao caráter inconstitucional do movimento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.






Você pode gostar