Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Bolsonaro ataca Renan e o chama de “picareta” e “vagabundo”

“Se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquirindo pessoas de bem no nosso país”, disse o presidente

Por Willian Matos 13/05/2021 12h18
Presidente da República Jair Bolsonaro durante sua chegada a Maceió. Foto: Alan Santos/PR

Após os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) trocarem ofensas durante sessão da CPI da Covid na quarta-feira (12), o presidente Jair Bolsonaro foi até Alagoas e atacou Calheiros nesta quinta (13). Bolsonaro chamou Renan de “picareta” e de “vagabundo”.

“Sempre tem algum picareta, vagabundo, querendo atrapalhar o trabalho daqueles que produzem. Se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquirindo pessoas de bem no nosso país”, declarou Bolsonaro. “Se esse indivíduo quer fazer um show tentando me derrubar, não o fará. Somente Deus me tira daquela cadeira (presidencial).”

O presidente também atacou as investigações sobre a gestão do governo federal no combate à pandemia., dizendo que o que “vem acontecendo na CPI é crime”.

Bolsonaro está em Alagoas para comparecer a três compromissos. Dois deles são de inaugurações de obras que já estão em andamento — uma delas pertence ao governo do Estado. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o senador Fernando Collor (Pros-AL) acompanham o presidente.

Ao chegar em Maceió, Bolsonaro publicou no Twitter um vídeo no qual é recebido por apoiadores. Sem máscara, o presidente é rodeado por uma multidão.

Renan rebate Flávio

Na CPI da Covid nesta quinta (13), antes de começar a sabatina ao gerente-geral da Pfizer, Carlos Murillo, Renan Calheiros rebateu Flávio Bolsonaro. O relator disse que Flávio teve a intenção de atrapalhar as investigações da comissão.

“Eu quero dizer a esses pregadores que a minha resposta a todos esses ataques é esse número aqui, esse número aqui de vítimas da pandemias. Tirei meu nome e coloquei para que não haja dúvidas sobre o motivo pelo qual nós estamos aqui investigando. Se houve genocídio, se houve, quem é o responsável? Ou quem são os responsáveis?”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nós estamos aqui em respeito a essas vítimas e a resposta que nós poderemos dar da melhor forma é com o aprofundamento dessa investigação”, disse Renan, lamentando as mortes e prestando condolências aos familiares das vítimas. “Eu quero dizer às famílias dessas vítimas, aos mais de 15 milhões de sequelados da covid no Brasil que, haja o que houver, intimidação todos os dias, não haverá problema.”

Renan chegou até a citar a ida do presidente Jair Bolsonaro a Alagoas nesta quinta (13). “Hoje mesmo o presidente da República foi a Alagoas inaugurar obras estaduais numa evidente provocação a essa comissão. A resposta a essas ofensas é aprofundar a investigação”, declarou Calheiros.






Você pode gostar