Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Opinião

O que restou para o último capítulo de Amor Perfeito

Veremos muitos finais felizes para os personagens. Em entrevista a essa coluna, Duca Rachid afirmou: arrisco dizer que será um desfecho épico

Foto: Reprodução/TV Globo

*Silvio Cerceau

Amor Perfeito chega ao final hoje (22), completando assim sua saga de 161 capítulos. Não precisa nem repetir que a novela conquistou o público da Globo.

Colocou mais uma vilã no hall das grandes, Gilda vivida de corpo e alma por Mariana Ximenes. Criou cenas icônicas e memoráveis, uma delas, com certeza é a cena da morte de Gilda e Gaspar, Thiago Lacerda, ontem no fim do penúltimo capítulo. Na minha opinião, o primeiro e o penúltimo capítulo de uma novela são os mais importantes.

Mas o que restou para o esse esperado final?

O casamento de Marê e Orlando certamente sela a tão esperada felicidade do casal. A trama não fugirá dos clichês necessários e nem pode. Veremos muitos finais felizes para os personagens. Em entrevista a essa coluna, Duca Rachid afirmou: arrisco dizer que será um desfecho épico.

Já o coautor Júlio Fischer disse: “Só o que posso adiantar, Sílvio, é que vai ser um final muito bonito e acredito (espero!) que “Amor Perfeito” vá deixar saudades.”

O autor Elísio Lopes Jr. também me falou sobre “ O último capítulo consolida um assunto muito importante para a novela que é a fé, a gente fala da fé e o brasileiro é um povo de fé. O Marcelino é um personagem que traduz muito esse desejo que a gente tinha de falar sobre a fé do brasileiro e a fé de que a perspectiva que a vida vai melhorar, que as coisas podem melhorar e que o grande caminho para que as coisas melhorem é o amor. Podem esperar um capítulo final cheio de fé e esperança no futuro.

Amor Perfeito é uma novela criada por Duca Rachid e Júlio Fischer, escrita com Elísio Lopes Jr. Colaboração de Dora Castellar, Duba Elia e Mariani Ferreira. Direção de Alexandre Macedo, Lúcio Tavares, Joana Antonaccio e Larissa Fernandes. Direção artística de André Câmara.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

*Silvio Cerceau é roteirista






Você pode gostar