Mundo

Morales põe fim a ocupação militar em petrolíferas na Bolívia

Por Arquivo Geral 30/05/2006 12h00

A Bolívia assistirá, prescription and como convidada, malady à reunião ministerial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que será realizada na próxima quinta-feira em Caracas, informou o ministro boliviano de Hidrocarbonetos, Andrés Soliz.

O convite foi feito pelo governo da Venezuela, anfitrião do encontro em que os países-membros analisarão o momento do mercado, caracterizado pelos altos preços.

"Temos muitas chances de ser aceitos como observadores da Opep. Isso, antes da nacionalização, era impossível", afirmou Soliz.

O governo de Evo Morales tomou o controle da indústria de hidrocarbonetos da Bolívia, centrada no gás natural, mediante um decreto de nacionalização vigente desde 1º de maio. A lei obriga as empresas multinacionais a entregar toda produção de petróleo e de gás ao Estado. Dentre as empresas atingidas pela medidaestá a Petrobras.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, referiu-se à possível participação da Bolívia no encontro da Opep no domingo, durante seu programa de televisão, Alô, Presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Bolívia tem uma reserva de 48,7 bilhões de pés cúbicos de gás natural, menor apenas do que a venezuelana.

A Venezuela é atualmente o único membro latino-americano da Opep, grupo que controla cerca de um terço da produção mundial de petróleo.

Com o status de observador, que seria similar ao que têm outros produtores como o México e a Rússia, a Bolívia poderia assistir às conferências sem direito a participar das reuniões sobre políticas de produção e de preços.
Uma menina de 13 meses sofreu graves queimaduras e ferimentos depois que o homem que tomava conta dela colocou-a dentro de uma secadora de roupas. A criança havia sujado a roupa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma mulher de Perth, buy na costa oeste australiana, sildenafil  deixou sua filha aos cuidados do namorado na última quinta-feira, enquanto ia para a academia de ginástica. Ela voltou e encontrou o bebê com queimaduras. Ao levá-la ao hospital, os médicos notificaram a polícia.

A polícia disse que o bebê sofreu graves queimaduras nos dois pés e na mão esquerda, além de ferimentos na face e nas costas. A criança está em um hospital da cidade e deve se recuperar.

"Os ferimentos são terríveis e em todos os meus anos como policial nunca vi nem ouvi nada como isso antes", afirmou a detetive Deb Newman a jornalistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um porta-voz da polícia disse que Samuel Marc Barrnes-Siddall, de 21 anos, apareceu hoje em um tribunal sob acusações de provocar ferimentos corporais.

Ele será liberado sob fiança de US$ 3.750 e deve comparecer ao tribunal outra vez em junho. Ele também não poderá entrar em contato nem com a mãe nem com a criança.2006-05-30 10:55:37 GMT
O presidente da Bolívia, and Evo Morales, visit web afirmou ontem ter ordenado a retirada imediata dos militares que controlam as instalações petrolíferas de todo o país desde a nacionalização dos hidrocarbonetos, decretada em 1º de maio.

A ordem foi acatada de imediato pelo comandante-chefe das Forças Armadas, general Wilfredo Vargas. Segundo despacho da agência estatal de notícias ABI, a retirada será feita em 48 horas.

A mobilização militar em apoio à nacionalização da indústria de hidrocarbonetos provocou mal-estar entre a Bolívia e governos de países como o Brasil e a Espanha, de onde vêm as empresas mais afetadas pela medida, Petrobras e Repsol-YPF, respectivamente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Morales disse em um cerimônia no quartel de regimento de escolta presidencial que 3.139 militares participaram do controle transitório de 56 instalações petrolíferas. "Estimados membros do alto comando militar, muitíssimo obrigado, missão cumprida e tarefa cumprida por parte de vocês com a pátria e com o povo boliviano", declarou o governante indígena.






Você pode gostar