Menu
Mundo

Eleições EUA: Republicanos mudam plataforma partidária para refletir posição de Trump

Trump impôs as suas prioridades enquanto busca evitar uma mensagem clara sobre o aborto, ao mesmo tempo que assume o crédito pela reversão do caso Roe V. Wade pela Suprema Corte

Redação Jornal de Brasília

08/07/2024 22h20

Foto: Julia Nikhinson / POOL / AFP

O Comitê Nacional Republicano decidiu nesta segunda-feira, 8, adotar uma plataforma partidária que reflete a posição do ex-presidente Donald Trump, opondo-se à proibição federal do aborto e cedendo a decisão aos Estados, omitindo a defesa explícita para uma proibição nacional pela primeira vez em 40 anos.

Trump impôs as suas prioridades enquanto busca evitar uma mensagem clara sobre o aborto, ao mesmo tempo que assume o crédito pela reversão do caso Roe V. Wade pela Suprema Corte. Trump nomeou três dos seis juízes que votaram por maioria para derrubar o precedente de 1973 que estabeleceu o direito nacional ao aborto.

A plataforma reduzida – apenas 16 páginas e com detalhes limitados sobre muitas questões republicanas importantes – reflete o desejo da campanha de Trump de evitar dar aos democratas mais material para os seus alertas sobre as intenções do ex-presidente se ele reconquistar a Casa Branca. A campanha do presidente Joe Biden destacou repetidamente o documento “Project 2025” produzido pelos aliados de Trump, bem como as próprias promessas de Trump de impor tarifas abrangentes, substituir milhares de funcionários públicos por partidários leais e organizar a maior operação de deportação da história dos EUA.

O documento político segue o princípio de longa data do partido de que a Constituição estende os direitos aos fetos, mas remove a linguagem que mantém o apoio a uma “emenda à Constituição e à legislação para deixar claro que as proteções da Décima Quarta Emenda se aplicam às crianças antes do nascimento”, uma passagem no plataforma partidária incluída pela primeira vez em 1984.

Afirma: “Acreditamos que a 14ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos garante que a nenhuma pessoa pode ser negada a vida ou a liberdade sem o devido processo”. O documento também observou “que os Estados são, portanto, livres para aprovar leis que protejam esses direitos”.

Estadão conteúdo

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado