Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Coreia do Norte testa lançador múltiplo de mísseis

Este foi o primeiro tiro desde 2 de outubro, quando a Coreia do Norte anunciou um disparado de míssil a partir do mar

Por Lindauro Gomes 01/11/2019 9h35
This picture taken on October 31, 2019 and released by North Korea’s Korean Central News Agency on November 1, 2019 shows the North Korean Academy of Defence Science making a test-fire of a super-large multiple rocket launcher at an undisclosed location in the North. – It was the latest in a series of launches by the North but the first since October 2, when it fired a sea-launched missile. (Photo by STR / KCNA VIA KNS / AFP) / – South Korea OUT / REPUBLIC OF KOREA OUT —EDITORS NOTE— RESTRICTED TO EDITORIAL USE – MANDATORY CREDIT “AFP PHOTO/KCNA VIA KNS” – NO MARKETING NO ADVERTISING CAMPAIGNS – DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS THIS PICTURE WAS MADE AVAILABLE BY A THIRD PARTY. AFP CAN NOT INDEPENDENTLY VERIFY THE AUTHENTICITY, LOCATION, DATE AND CONTENT OF THIS IMAGE. /

A Coreia do Norte testou na quinta-feira, com sucesso, um sistema de lançamento de “múltiplos mísseis”, informou nesta sexta a agência oficial norte-coreana KCNA.

Militares sul-coreanos anunciaram na quinta o disparo de dois mísseis de curto alcance da província norte-coreana de Pyongyan do Sul, que percorreram aproximadamente 370 km.

Este foi o primeiro tiro desde 2 de outubro, quando a Coreia do Norte anunciou um disparado de míssil a partir do mar.

O teste desta quinta-feira estava destinado a “verificar a segurança da ativação dos lançadores”, segundo a KCNA.

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, manifestou sua “satisfação (…) e cumprimentou” a equipe encarregada, assinalou a KCNA.

As negociações entre Washington e Pyongyang sobre a questão nuclear norte-coreana se encontram atualmente em ponto morto.

A Coreia do Norte é alvo de numerosas sanções internacionais por seu programa nuclear e balístico que, segundo Pyongyang, são necessários para se proteger contra um possível ataque americano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agence France-Presse






Você pode gostar