Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Castillo se declara vencedor, mas órgão eleitoral do Peru espera fim da apuração

Na manhã desta quarta, com 99,79% das urnas contabilizadas, a vitória de Castillo parece irreversível, já que ele ostenta 50,2% dos votos, enquanto Keiko Fujimori tem 49,7%

Sebastian Castaneda/Reuters

Sylvia Colombo
Buenos Aires, Argentina

Pedro Castillo se declarou na noite desta terça (8) vencedor da eleição presidencial peruana. Da varanda do comitê de seu partido, o Perú Libre, no centro de Lima, o candidato de esquerda afirmou que o “povo falou” e que, “de acordo com o relatório de nossos fiscais, já temos o resultado”. “Vimos que o povo impôs essa vitória por meio das urnas. Por isso, peço a vocês para não caírem em provocações.”


Na manhã desta quarta, com 99,79% das urnas contabilizadas, a vitória de Castillo parece irreversível, já que ele ostenta 50,2% dos votos, enquanto Keiko Fujimori tem 49,7%. Ainda assim, Júri Nacional de Eleições não fez nenhum pronunciamento oficial confirmando o resultado e espera, para o começo da tarde, a chegada de votos depositados no exterior, de países como Chile e Brasil. Essa fatia é importante porque soma quase 1 milhão de eleitores. Os que faltam chegar, no entanto, não chegam a 2% dessa cifra.


A perspectiva de que o panorama já está definido é tão forte que um dos analistas políticos mais respeitados do Peru, David Sulmont, especializado em estatística eleitoral, publicou em redes sociais acreditar que o ciclo eleitoral acabou e que “Castillo será o novo presidente”.


Keiko, que, na noite de segunda-feira (7), depois de ser ultrapassada pelo adversário na apuração, acusou a existência de “fraude sistêmica” no pleito e foi contrariada por observadores internacionais, não fez novas declarações desde então. A candidata havia exibido vídeos e fotos como supostas evidências de que atas eleitorais haviam sido alteradas.

Os registros também mostrariam treinamento dado a mesários e fiscais de Castillo para cometer atos ilegais que garantissem sua vitória.


O Júri Nacional de Eleições, porém, informou que a Missão de Observadores da União Interamericana de Órgãos Eleitorais apresentou relatório no qual afirma que o pleito ocorreu de modo regular e com êxito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A declaração foi corroborada pela Missão de Observação Eleitoral da OEA, composta por 40 membros e liderada pelo ex-chanceler do Paraguai Rubén Ramírez Lezcano. Para o órgão, eventuais inconformidades “não comprometeram a eleição como um todo” e podem ser “resolvidas pela via legal”.


Demissões na imprensa peruana Funcionários da América TV e do Canal N apresentaram nesta terça cartas em que anunciam demissão coletiva devido ao que classificaram de mudanças editoriais em apoio a Keiko.


Antes, já tinham ocorrido demissões por parte dos veículos, que, segundo os demitidos, deram-se por conta de opiniões divergentes. Nos jornais El Comércio e Peru21, funcionários afastados afirmam que o motivo foi a discordância com a linha editorial em favor da candidata.


A jornalista Pao Ugaz, correspondente do jornal ABC, da Espanha, expôs no Twitter várias das denúncias. “Há uma hecatombe midiática no Peru. O ambiente hostil da última campanha presidencial contra editores e jornalistas de América, Canal N e Cuarto Poder obriga jornalistas a demitirem profissionais.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Uma das jornalistas demitidas da América TV, Clara Elvira Ospina, afirmou nas redes sociais que as decisões relacionadas aos profissionais de Cuarto Poder, América Noticias e Canal N “apenas confirma que quem toma as decisões não é o jornalismo”. “Não é a vontade de fazer jornalismo o que os anima.”


No jornal americano The Washington Post, o peruano Diego Salazar, autor do livro “Não Entendemos Nada”, publicou artigo no qual afirma que repórteres de grandes meios de comunicação do país receberam ordens para escrever artigos pró-fujimorismo nos últimos anos.

As informações são da Folhapress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar