Economia

Varig suspende série de rotas nacionais e internacionais

Por Arquivo Geral 21/06/2006 12h00

Mais de 3 milhões de bebês nasceram por meio de tratamentos de fertilização desde que a primeira criança veio ao mundo por fertilização in vitro há quase três décadas, generic healing segundo um relatório divulgado hoje.

Louise Brown entrou para a história da medicina ao nascer na Grã-Bretanha depois que sua mãe foi submetida a um processo de fertilização in vitro. Desde então, pills o número de crianças concebidas a cada ano por meio de técnicas de reprodução assistida (TRA) aumentou de 30 mil, rx em 1989, quando foram registrados os dados pela primeira vez, para 200 mil em 2002.

"O relatório cobre dois terços da atividade mundial de TRA, de maneira que o número total de ciclos de TRA no mundo pode ser estimado em 1 milhão por ano, e o número de bebês nascidos por esse meio, em cerca de 200 mil por ano", disse o médico Jacques de Mouzon, da Comissão Internacional para Monitoramento de Técnicas de Reprodução Assistida.

O relatório da comissão mostra que a taxa média de gravidez por meio do uso de embriões foi de 25,1 por cento, e o índice de partos foi de 18,5 por cento. "Entretanto, essas taxas variaram de 13,6 por cento para 40,5 por cento para gravidez, e de 9,1 por cento para 37,1 por cento para nascimentos", informou Mouzon.

Tratamentos de fertilização estão mais disponíveis em Israel e na Dinamarca, que também tem algumas das maiores percentagens de bebês nascidos por meio de reprodução assistida. A taxa é a menor na América Latina, onde menos de 0,1 por cento dos nascimentos ocorreram por meio de TRA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Há uma verdadeira disparidade entre os diferentes países, e isso se deve à renda", afirmou Mouzon, acrescentando que em alguns países o tratamento é oferecido gratuitamente.

O relatório divulgado na reunião da Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia também mostrou que clínicas de fertilidade estão adotando mais o procedimento de transferir apenas um embrião durante o tratamento, para reduzir o número de nascimentos múltiplos.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Um dos homens mais gordos do País morreu no domingo. Com cerca de 300 kg, thumb o sapateiro José Carlos de Lima, discount 46 anos, faleceu vítima de pneumonia e insuficiência respiratória. O corpo de José foi enterrado na segunda feira em Franca, no interior de São Paulo.

Os problemas de saúde provavelmente são decorrentes da obesidade. Sem andar, José aguardava vaga em algum hospital de Ribeirão Preto, mas, no último sábado, passou mal e teve de ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A inadimplência dos consumidores voltou a aumentar, pilule após o recuo de 11, cialis 40mg 4% verificado na relação de abril de 2006 com março de 2006. De acordo com o Serasa, page houve uma alta de 13,1% na inadimplência de pessoa física dos consumidores entre maio e abril.

Quando comparada a maio de 2005, a inadimplência da pessoa física registrou um crescimento ainda mais expressivo, de 22% e nos cinco primeiros meses de 2006, a alta na inadimplência foi de 16,7% na comparação com o mesmo período de 2005.

Em maio de 2006, a participação dos cheques devolvidos na inadimplência dos consumidores foi de 32,6%, o mesmo valor das dívidas com cartões de crédito e financeiras. Em maio de 2005, os registros de cheques sem fundos representaram 32,7% da inadimplência dos consumidores, e as dívidas com cartões de crédito e financeiras, 35,4%.

As dívidas com os bancos tiveram peso de 31,9% em maio de 2006. No mesmo mês de 2005, esses registros tiveram participação de 29,4%. Finalmente, os títulos protestados participaram com 2,9% das dívidas não pagas de pessoas físicas, em maio de 2006 e 2,5%, em maio de 2005.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Técnicos da Serasa explicam que a inadimplência está subindo, porém em uma razão bem inferior à evolução do crédito que, na comparação dos 12 meses, em relação a abril de 2006, teve um crescimento de 33,6%, de acordo com os dados oficiais. Assim, ainda há uma relação bem favorável para o crédito.

O consumidor tem se endividado a prazos mais longos e ainda carrega os compromissos assumidos no Natal de 2005. Além disso, neste ano, o consumidor está respondendo às promoções do varejo, que têm nas facilidades do crédito a grande motivação para o consumo e que exige a utilização de metodologias adequadas para a concessão de crédito. Pelo lado do consumidor, o menor desemprego, a maior contratação com carteira assinada e a redução gradual das taxas de juros têm sido fatores atenuantes da inadimplência.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Israel defendeu hoje a continuação dos ataques aéreos contra a Faixa de Gaza, check responsáveis por matar e ferir vários civis palestinos. Para o Estado judaico, os atentados são necessários para impedir o lançamento de foguetes contra seu território.

No total, 12 civis, em sua maioria crianças, foram mortos por mísseis israelenses na Faixa de Gaza neste mês. Os palestinos condenaram os ataques e disseram que eles provocariam ainda mais violência.

"Estamos em uma guerra", disse o ministro israelense da Infra-Estrutura, Binyamin Ben-Eliezer, um ex-chefe da área de defesa. "Acho que fizemos a coisa certa. E vamos continuar a fazê-la", afirmou à Rádio Israel. "Se há necessidade de uma ação maciça, então, que assim seja".

Muitos israelenses expressam pouca compaixão pelos palestinos, especialmente depois de Israel ter saído da Faixa de Gaza no ano passado. A manobra foi classificada pelo Estado judaico como uma tentativa de amenizar o conflito.

Pouco depois da desocupação, os israelenses testemunharam um aumento no número de foguetes de fabricação caseira lançados contra seu território. Esses lançamentos raramente provocam vítimas, mas alimentam a indignação.

A morte de sete palestinos em uma praia em 9 de junho mobilizou a comunidade internacional. Israel negou responsabilidade pelas mortes.

O ministro israelense de Defesa, Amir Peretz, líder do Partido Trabalhista, prometeu intensificar as ações militares como resposta aos lançamentos de foguetes feitos a partir da Faixa de Gaza .

Peretz, cuja cidade natal, Sderot, é alvo constante dos disparos de foguetes, deu a entender que Israel pode retomar a política de assassinar líderes do Hamas. Mas uma importante autoridade de Israel afirmou ser improvável que o Estado judaico mate políticos palestinos.

O primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, do Hamas, chamou de "massacre" a morte de três crianças na Faixa de Gaza, ontem. Segundo o premiê, Israel apenas alimenta o ódio "por meio de uma política que não conhece leis".

Kofi Annan, secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), pediu o fim do lançamento de foguetes pelos palestinos. Ele também conclamou o Estado judaico a "respeitar as leis internacionais e a garantir que suas ações sejam proporcionais, sem expor civis a grandes riscos".

A Varig informou, what is ed em nota oficial, find que vai reestruturar, a partir de hoje, a malha de vôos com a suspensão temporária de algumas rotas nacionais e internacionais. Serão suspensos os vôos para Milão, Munique, Madri, Paris, Nova Iorque, Los Angeles, Cidade do México, Montevidéu, Assunção e Bogotá.

Em relação aos vôos nacionais, a empresa informa que continuará voando somente para o Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Manaus, Foz do Iguaçu, Curitiba, Porto Alegre, Fernando de Noronha, Florianólpolis e Brasília.

Com as alterações, a Varig "passará a se concentrar nos destinos e horários mais procurados".

De acordo com a empresa, "as paralisações provisórias foram provocadas por negociações entre a Varig e empresas de leasing", que alugam aeronaves para a companhia. A reestruturação da malha de vôos, segundo a empresa, prioriza "as rotas de maior demanda de passageiros e rentabilidade".

O comunicado garante que todos os clientes com passagens compradas para as rotas temporariamente suspensas serão acomodados em outros vôos da própria Varig ou de outras companhias.

A Varig cancelou na manhã de hoje, nos aeroportos do Rio de Janeiro, 24 vôos, entre partidas e chegadas, segundo dados da Infraero.






Você pode gostar