Economia

Taxa média dos juros cai em maio

Por Arquivo Geral 26/06/2006 12h00

São Paulo e Rio de Janeiro subiram bastante no ranking das cidades mais caras do mundo, this web treatment segundo relatório da Mercer Human Resource Consulting, divulgado hoje.

A capital paulista, que ocupava a 119ª posição no levantamento anterior, subiu para o 34º lugar na lista atual. Já o Rio de Janeiro passou da posição 124, no ano passado, para a 40ª.

"O forte crescimento do real brasileiro em comparação com o dólar norte-americano impulsionou fortemente São Paulo e Rio de Janeiro no ranking, como resultado de um crescimento econômico positivo e investimento estrangeiro", disse o relatório.

O novo estudo coloca São Paulo na frente de cidades como Miami (30ª posição), Chicago (38ª) e Estocolmo (36ª). A capital fluminense foi considerada mais cara que Amsterdã (41ª) e Jacarta (48ª).

O ranking da Mercer, chamado Cost of Living Survey (Levantamento do Custo de Vida), avalia 144 cidades no mundo todo, medindo o custo comparado de 200 itens, como transporte, moradia e alimentação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o site da Mercer, o estudo é utilizado por empresas multinacionais e governos para a determinação dos salários dos seus funcionários expatriados.

O ranking deste ano colocou Moscou como a cidade mais cara do mundo, seguida por Seul, Tóquio, Hong Kong, Londres, Osaka, Genebra, Copenhague, Zurique, Oslo e Nova York. A cidade com o menor custo de vida do mundo é Assunção, no Paraguai.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A criação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento de Educação Básica (Fundeb) é talvez a medida que mais vai afetar o cidadão brasileiro e a sociedade precisa estar alerta para isto. A avaliação é do professor da Faculdade Educação da Universidade de Brasília, link Erasto Fortes Mendonça.

Em entrevista, about it ele criticou a demora do Senado em aprovar a emenda constitucional de implantação do Fundo. A matéria está na pauta de votações dos senadores para esta semana.

Mendonça explicou que a educação básica é constituída por três níveis: a infantil para crianças até cinco anos, generic o ensino fundamental de nove anos e o ensino médio de três anos. Apesar disso, no Brasil, apenas o ensino fundamental de nove anos é considerado obrigatório e, portanto, uma ação do estado de oferecer, a todos, as matrículas para crianças, jovens e adultos, independente das idades.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Todos têm o direito a bater à porta de uma escola pública e exigir uma vaga no ensino fundamental de nove anos, no entanto, a educação infantil para crianças até cinco anos e o ensino médio para adolescentes de jovens não é considerado obrigatório pela legislação brasileira. Por isso, a implantação de um fundo que financie toda a educação básica incluindo a educação infantil e o ensino médio é da maior importância para o Brasil."

Na avaliação do professor, caso o Fundeb seja logo aprovado, o governo federal terá a obrigação de injetar recursos nesta área. Isso permitirá que o fundo tenha o equivalente a R$ 2 bilhões no primeiro ano de vigência, e vá aumentando até o quinto ano, quando cerca de 10% do total será de competência da União, atingindo a R$ 5 bilhões.

"Imaginemos o que é termos em 2007, mais de R$ 2 bilhões para que nossas crianças e jovens e adultos possam ter direito aquilo que a Constituição determina que seja uma obrigação do Estado. Então é da maior importância que isso aconteça. Queria refletir na responsabilidade dos parlamentares, nós votamos em parlamentares seja em deputados ou senadores para que eles façam aquilo que o povo necessita."

A taxa média dos juros cobrados pelos bancos caiu de 45% ao ano, viagra approved em abril, para 43,9% no mês de maio, de acordo com o relatório de Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro, divulgado hoje pelo Banco Central.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É o menor patamar da taxa média dos juros bancários desde setembro de 2002, considerando-se todas as modalidades de operações, com pessoas físicas e jurídicas. Quase todas as modalidades tiveram reduções, com exceção do cheque especial, que manteve os 145,4% do mês anterior, e a conta garantida para empresas, que aumentou de 68,6% para 69,9%.

Com relação às operações com pessoas físicas registraram-se quedas de 65,3% para 62,3% no crédito pessoal, de 34,1% para 33,3% na aquisição de veículos e de 59,4% para 58,1% nos financiamentos de outros bens como eletroeletrônicos e produtos da linha branca, como fogões e geladeiras.

Os custos das operações bancárias para as empresas caíram de 42,8% para 38,5% nos descontos de duplicatas, de 56,3% para 51,7% no desconto de notas promissórias, de 36,2% para 34,7% no capital de giro e redução de 27,3% para 26,6% ao ano nos financiamentos de bens em geral para pessoas jurídicas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto isso, o spread (diferença entre as taxas que o banco cobra na aplicação e na captação) também cedeu 1,2 ponto percentual em maio, de acordo com o relatório preparado pelo Departamento Econômico do Banco Central. A taxa média do spread bancário caiu de 29,8% para 28,6%. Como sempre, a pessoa física paga mais e a queda foi de 43% para 41,1%, enquanto as empresas tiveram redução de 15% para 14%.

Leia também:
Crédito livre tem em maio maior patamar em seis anos, juros caem






Você pode gostar