Economia

Sem concorrente, mineradora arremata ferrovia por lance mínimo em leilão de infraestrutura

Apesar do lance baixo, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, comemorou porque a oferta viabilizará os próximos trechos da Fiol

Julio Wiziack
Brasília, DF

A Bahia Mineração (Bamin) foi a única a fazer proposta pela trecho inicial da Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste) no segundo dia da Infra Week, série de três leilões de infraestrutura na B3, a Bolsa de São Paulo. A mineradora ofereceu R$ 32,73 milhões, apenas R$ 30 mil acima do preço mínimo. “Estamos fazendo história encurtando a distância entre o presente e o futuro para o desenvolvimento da Bahia e do país”, disse Eduardo Ledsham, presidente da Bamin.

Apesar do lance baixo, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, comemorou porque a oferta viabilizará os próximos trechos da Fiol. O segundo já está em obras, conduzidas pela Valec, a estatal ferroviária. Segundo ele, o Exército conduz o projeto. A malha completa deverá ter cerca de 2,6 mil km e, quando estiver concluída, ligará o porto de Ilhéus (BA) à Ferrovia Norte-Sul, que cruza o país de norte a sul. “Muito em breve, essa ferrovia vai capturar a carga do agronegócio do oeste baiano. Será um projeto transformador para a Bahia”, disse Tarcísio.

O ministro, novamente, creditou ao presidente Jair Bolsonaro o sucesso dos projetos concedidos até o momento. “A agência [a Agência Nacional de Transportes Terrestres é o poder concedente] vem contribuindo para que Bolsonaro coloque o país literalmente nos trilhos”, disse Tarcísio.

O lance não se compara ao apetite de investidores pelas concessões de aeroportos leiloadas nesta quarta-feira (7) na abertura da Infra Week em que a CCR sagrou-se como a grande vencedora por oferecer R$ 2,9 bilhões em outorgas por dois blocos de aeroportos no Sul e no Centro-Oeste.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao todo, o governo arrecadou R$ 3,3 bilhões, sem contar os investimentos contratados de R$ 10 bilhões por 30 anos de concessão.

A proposta da Bamin garante força ao projeto do Ministério da Infraestrutura de construir uma cruz ferroviária no país formada pelo entroncamento da Ferrovia Norte-Sul, a espinha dorsal, com a Fico (Ferrovia de Integração Centro-Oeste) e a Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste).

A Fico será totalmente construída pela Vale como contrapartida da renovação de suas concessões ferroviárias e, dessa forma, despertou o interesse para os demais trechos da Fiol.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O projeto completo da ferrovia vem sendo estudado há muitos anos e, segundo o ministério, dificilmente se tornaria realidade se dependesse de recursos públicos. Somente a conclusão da obra do trecho que está sendo leiloado (cerca de 20% do projeto) exigirá R$ 1,6 bilhão do vencedor.

Por isso, o projeto foi dividido em três partes. No leilão desta quinta-feira (8), o Ministério da Infraestrutura, por meio da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) concedeu o primeiro trecho de 537 km, entre as cidades de Ilhéus e Caetité (BA).

O vencedor do leilão terá de concluir as obras da via férrea –hoje 80% da malha está pronta– investindo, no total, R$ 3,3 bilhões ao longo de 35 anos de concessão. A expectativa do governo é que o projeto gere 55 mil empregos diretos e indiretos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se tudo correr de acordo com o cronograma do ministério, o primeiro trecho da Fiol entrará em operação em 2025 transportando, inicialmente, cerca de 18 milhões de toneladas de carga entre grãos e o minério de ferro produzido na região de Caetité.

De acordo com as projeções do governo, esse volume deverá mais que dobrar em dez anos, passando para 50 milhões de toneladas, em 2035. A região também exporta alimentos processados, cimento, combustíveis, soja, manufaturados e petroquímicos.

A operação inicial já deve contar com pelo menos 16 locomotivas e mais de 1.400 vagões – pelo menos, 1.100 destinados apenas para o escoamento de minério de ferro. Em 2035, serão 34 locomotivas e 2.600 vagões.

A estruturação do projeto está sendo sendo feita em parceria com o Banco Mundial, que também estuda a viabilidade de outra malha ferroviária, a Fico (Ferrovia de Integração do Centro Oeste), que se seguirá a partir do entroncamento da Fiol com a Norte-Sul passando pelo polo produtor da soja, no Mato Grosso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o secretário nacional de Transportes Terrestres do Ministério da Infraestrutura, Marcello Costa, as ferrovias voltarão a ser o foco de investimentos no setor e ganharão mais espaço na matriz logística do país.

O ministério prepara o lançamento de um novo plano nacional de logística em 2021, que terá entre suas metas ampliar a participação do modal ferroviário, responsável hoje por apenas 15% da carga total transportada no país.

O objetivo é dobrar essa fatia até 2050, prazo de análise do novo plano logístico. Para isso, conta com a atração de investidores estrangeiros para tocar os novos projetos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da Folhapress






Você pode gostar