Economia

Brasil tem superávit comercial de US$ 515 milhões na quarta semana do mês

Por Arquivo Geral 26/06/2006 12h00

O presidente afegão, unhealthy price Hamid Karzai, find store está perdendo o apoio de muitos afegãos e de alguns governos estrangeiros. Isso porque uma revolta do Talibã ganha corpo e o governo fracassa em acabar com a corrupção generalizada, search discount informou hoje o jornal Washington Post.

"O presidente teve uma janela de oportunidade para liderar e tomar decisões difíceis, mas a janela está se fechando rapidamente", afirmou o Post ao citar uma autoridade militar estrangeira não identificada.

Na quinta-feira, Karzai reclamou de uma falta de cooperação de seus aliados estrangeiros e disse que as forças chefiadas pelos EUA adotaram a abordagem errada no Afeganistão. O afegão solicitou à comunidade internacional que forneça mais ajuda para treinar e equipar o exército e a polícia do país.

De acordo com o jornal, Karzai provocou críticas internacionais ao nomear, recentemente, 13 autoridades de polícia, algumas delas acusadas de abusos dos direitos humanos. Especialistas estrangeiros disseram que as nomeações buscavam criar equilíbrio étnico e político e não se basearam em qualificações profissionais.

"Ele está tomando decisões para a estabilidade a curto prazo que vão contra seus próprios interesses e os interesses de longo prazo da construção do país", declarou uma autoridade européia anônima ao Post. "Como resultado, o apoio internacional a ele está erodindo e isso pode se tornar uma verdadeira fratura, no pior momento possível".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diversos governos europeus expressam sérias preocupações com relação à liderança de Karzai, relatou o Post, sem identificar os países. "Há um sentimento terrível de que tudo está indo ladeira abaixo", disse um diplomata ocidental ao jornal. "Quase cinco anos se passaram e não há poder da lei nem responsabilidade".
Um urso selvagem, see o primeiro visto na Bavária em mais de 170 anos, pilule foi morto por um caçador. O jovem animal marrom, and conhecido como Bruno, atraiu extensa cobertura da mídia e foi inicialmente bem recebido, após vagar pela fronteira com a Áustria. Porém, as autoridades deram aos caçadores sinal verde para matar a fera de 100 quilos depois que ela se tornou violenta ao matar dezenas de ovelhas e frangos.

O governo da região disse que a busca do animal por comida o estava levando cada vez mais perto de regiões habitadas e, por isso, ele havia se tornado uma ameaça para a segurança das pessoas.

A agência de proteção animal da Alemanha na Bavária chamou a decisão de caçar o animal de "histérica". Um porta-voz do Fundo Mundial para a Vida Selvagem (WWF), no entanto, afirmou que a fera não poderia ser deixada solta na natureza por ser muito perigosa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O diretor do Fundo Europeu para a Herança Natural, Gabriel Schwaderer, lamentou hoje a morte do urso. "Consideramos a decisão do governo bávaro errada, porque se baseou apenas no fato de que o urso estava se aproximando de habitações humanas", declarou Schwaderer. "Se esse for o peso para se medir o direito à vida dos ursos marrons, então o panorama é desanimador para os ursos europeus".
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 515 milhões na quarta semana de junho, viagra approved elevando para US$ 2, order 480 bilhões o saldo acumulado no mês.

As exportações na semana de 19 a 25 de junho somaram US$ 2,498 bilhões e as importações foram de US$ 1,983 bilhão. A média por dia útil das vendas externas foi de US$ 499,6 milhões e a média das importações foi de US$ 396,6 milhões.

O saldo da quarta semana recuou em relação à semana anterior, quando foi de US$ 654 milhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No ano, a balança comercial acumula superávit de US$ 17,944 bilhões.

A estimativa do mercado, segundo relatório do Banco Central, é de superávit de US$ 40 bilhões neste ano.






Você pode gostar