Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Apostas online tiveram aumento de 75% no último trimestre de 2020 face a 2019. A receita bruta foi de 113,2 milhões de euros

Dia após dia vemos os diversos impactos negativos que a crise sanitária vem causando em muitos setores da economia e como as empresas têm buscado alternativas para se reinventar nesse período tão catastrófico. Em Portugal, as medidas de segurança, como o isolamento social, mudaram bastante o hábito dos portugueses em relação à jogatina. Para se ter noção, no último trimestre de 2020, os cassinos registraram uma queda absurda de receita nas salas de máquinas e bingo, uma redução de 50% se comparada ao mesmo período de 2019. Em muito, isso se deve a limitação de tempo de funcionamento dos estabelecimentos, redução da lotação, além do próprio distanciamento social, tudo para diminuir os impactos da crise, mas que também acabou causando uma grande perda da receita das casas de apostas. 

Aumento da receita nas plataformas online

Dessa forma, as companhias especializadas no setor tiveram que se voltar cada vez mais para o ambiente virtual, e a jogatina online experimentou um aumento interessante no volume de apostas no quarto trimestre de 2020 – ao total 25% a mais do que no trimestre anterior. E os dados ficam ainda mais impressionantes se compararmos com o mesmo período em  2019 – nesse caso, o quarto trimestre de 2020 cresceu em 74,7%. Ou seja, 113,2 milhões de euros no último trimestre de 2020, contra 48,4 milhões de euros dos últimos três meses de 2019, levando em consideração a jogatina e as apostas online. Somente o Imposto Especial do Jogo Online (EIJO) nos últimos três meses de 2020 chegou aos 39,9 milhões de euros.

Um fator que contribuiu enormemente para esse crescimento de receita foram os palpites em plataformas com as melhores apostas esportivas, que apresentou um aumento de 56,6% em relação ao trimestre anterior. Já os jogos da fortuna registraram uma ascensão próxima aos 20%. Sendo que, ao total, as apostas esportivas geraram uma receita bruta de 64,1 milhões de euros, enquanto a jogatina arrecadou 49,1 milhões de euros. Já em relação a valores movimentados, as apostas esportivas alcançaram a casa dos 345,4 milhões de euros no quatro trimestre de 2020, cerca de 159,7 milhões a mais do que o registado no período homólogo de 2019. Enquanto isso, os jogos da fortuna e de azar tiveram um volume de apostas que superaram os 1,4 bilhões de euros nos últimos três meses de 2020, quantia que é 555,3 milhões superior à movimentada no mesmo período no ano anterior.

Explicação

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O SRIJ (Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos) conseguiu encontrar uma explicação para esse crescimento impressionante nas apostas esportivas nos últimos meses do ano passado. De acordo com eles, como houve o adiamento de diversas competições esportivas no início e meados do ano, principalmente jogos de futebol, basquete e tênis (os que mais movimentam o mercado dos palpites), houve um decréscimo neste intervalo. Com o seu reinício somente no final de 2020, isso acabou impulsionando as apostas neste tempo. Para se ter ideia da importância desses esportes para o setor, o futebol, por exemplo, representa mais de 86% do total de apostas realizadas, já o basquete e o tênis somados equivalem a 10% desse volume. 

Quando o assunto são os torneios mais relevantes, em primeiríssimo lugar está a Premier League, a liga inglesa de futebol, que representa 9,8% do volume de apostas. Logo em seguida vem a liga portuguesa, com 9,1%, depois a Liga dos Campeões com 9%. Além delas, as mais bem ranqueadas entre os portugueses, estão a Liga Europa que representa 6,5% do volume de palpites e a liga espanhola com 6,3%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar