Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Notícias

Com 779 mortes por covid-19 nas últimas 24h, Brasil tem pior média desde outubro

Pelo 11º dia consecutivo o Brasil bateu recorde de casos na média móvel, atingindo a impressionante marca de 183.203, o maior número de toda a pandemia

Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

O Brasil registrou 779 novas mortes pela covid-19 nesta sexta-feira, 28. A média semanal de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, ficou em 472, a pior marca desde 5 de outubro. Já o número de novas infecções notificadas foi de 257.239.

Pelo 11º dia consecutivo o Brasil bateu recorde de casos na média móvel, atingindo a impressionante marca de 183.203, o maior número de toda a pandemia. “Estamos vendo uma explosão de casos no Brasil. Estamos à beira de um tipo diferente de colapso que poderia ser evitado com o uso de máscara e ficando longe de aglomeração. O discurso das autoridades está sendo aquém do que a gente esperava. Não é um momento para estar tranquilo”, diz Carlos Magno Fortaleza, infectologista e professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

O médico aponta que é uma explosão de casos nunca vista, algo que está ocorrendo por causa da variante Ômicron. “A proporção de pessoas disseminadoras é muito maior. Somando-se a isso está o fato de que a Ômicron tem um relativo escape vacinal. Sem contar que a população relaxou com as medidas de segurança. Isso tudo, com a sensação de que a covid-19 se transformou em uma gripe, faz com que ocorram recordes dias após dias”, afirma. “A grande maioria vai ter um quadro gripal leve, e isso faz com que as pessoas se exponham e transmitam a covid-19. Mas há quem morra.”

O especialista reforça que, com um número tão alto de casos positivos, mesmo diante de uma baixa testagem, o número de mortes também vai subir. “O que importa não é a percentagem de mortes, e sim a quantidade. Com a Ômicron, a proporção de pessoas que morrem é menor, e de fato as pessoas vacinadas têm menor possíbilidade, pois com três doses da vacina a chance de internação cai 85%. Mas como o número de casos é astronômico, a pequena proporção de mortes da variante pode gerar números grandes absolutos”, avisa.

Carlos Magno lembra que em novembro, todas as estimativas eram otimistas, mas aí apareceu a Ômicron. “O que me preocupa é que estamos com explosão de casos de covid-19 e não se tomam medidas restritivas para frear isso. Se deixarmos do jeito que está, a tendência é que piore até meados de fevereiro. E a redução vai ser interrompida com novo aumento depois do Carnaval. Estamos confortáveis com 300 mortes diárias porque já tivemos 4 mil? Eu não me sinto confortável. Precisamos usar máscaras e reduzir eventos com muitas pessoas”, comenta.

No total, o Brasil tem 625.948 mortos e 25.040.161 casos da doença. Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. Segundo os números do governo, 22.162.914 pessoas estão recuperadas.

O Estado de São Paulo registrou 285 mortes por coronavírus nesta sexta-feira. Outros cinco Estados superaram a barreira de 30 óbitos: Ceará (92), Paraná (58), Minas Gerais (44), Santa Catarina (40) e Rio Grande do Sul (31). No lado oposto, o Acre registrou apenas uma morte enquanto Roraima não teve óbitos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Nesta sexta-feira, o Ministério da Saúde informou que foram registrados 269.968 novos casos e mais 799 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 25.034.806 pessoas infectadas e 625.884 óbitos. Os números são diferentes do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar