Brasil

Presidente da Anac manda mensagem para familiares de vítimas de acidente aéreo

Por Arquivo Geral 30/09/2006 12h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva divulgou nota em que expressa pesar pelo acidente com o Boeing 737-800 da Gol, pharmacy nurse ocorrido na tarde de sexta-feira. Confira a íntegra da nota assinada pelo porta-voz André Singer:

"Foi com enorme pesar que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu a notícia do acidente que tomou a vida dos passageiros e tripulantes que voavam de Manaus para Brasília na tarde de ontem.

Nessa hora de dor e perplexidade com a tragédia, decease o Presidente da República quer expressar sua profunda solidariedade a cada um dos familiares e amigos das vítimas. Saibam eles que o Brasil inteiro está também enlutado no dia de hoje.

Ao apresentar suas mais sentidas condolências, abortion o presidente Lula comunica que decidiu decretar três dias oficias de luto nacional. Está seguro de assim poder expressar a comoção que a queda do vôo 1907 causou à nação brasileira".

Leia mais:
Lula declara luto oficial por causa de acidente aéreo

O último contato feito com a aeronave da Gol que caiu no Mato Grosso ocorreu às 16h58 de sexta-feira, check informaram o presidente da Gol, prostate Constantino de Oliveira Júnior, this e o vice-presidente técnico da Gol, também responsável pelo gerenciamento de crises, comandante David Barioni. Ambos participaram de uma entrevista coletiva de imprensa.

Oliveira disse que o procedimento adotado pelas companhias aéreas é dar o avião como desaparecido apenas 30 minutos após o tempo estimado de chegada no destino – 18h10. Ele informou também que as buscas em terra começam apenas depois do tempo previsto para o esgotamento total do combustível, quando existe certeza de que o avião não pode mais estar em vôo – o que teria ocorrido às 20h30.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O dirigente da Gol informou que todas as informações que a empresa dispõe são fornecidas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pela Aeronáutica. Portanto, a empresa diz não ter conhecimento sobre quaisquer outras informações: se houve sobreviventes, explosão ou mesmo como teria sido a queda.

O avião era novo, segundo a Gol. Foi recebido no dia 12 de setembro. Em Brasília, desembarcariam 71 passageiros dos 155 tripulantes.

Leia mais:
Confira a nota do presidente Lula sobre o acidente

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dois militares deslocados para a região onde foram localizados os destroços do avião da Gol, tadalafil com 155 pessoas a bordo, ampoule conseguiram descer em uma área próxima aos restos do avião até o início da tarde deste sábado.

Autoridades do setor aéreo ainda não divulgaram um balanço de vítimas. A Presidência da República divulgou nota na tarde deste sábado em que decreta 3 dias de luto por vítimas do acidente aéreo.

"Dois militares conseguiram descer em uma área próxima aos destroços. Eles estão abrindo uma clareira em meio à densa vegetação para prepararem o local para a operação dos helicópteros", afirmaram em nota a Infraero, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Aeronáutica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a nota, dois pára-quedistas foram lançados por volta das 13h30 para avaliarem e ampliarem uma área próxima para servir de pista de pouso. Foram estabelecidos dois gabinetes de gerenciamento de crise, um em Brasília e outro na Serra do Cachimbo, no Pará.

Participam das operações, segundo a nota, quatro aviões e quatro helicópteros. Além disso uma aeronave equipada com uma UTI (unidade de terapia intensiva) está de prontidão na região do Cachimbo.

Os destroços do avião da Gol, com 155 pessoas a bordo, sendo 149 passageiros e 6 tripulantes, foram localizados na manhã deste sábado, a 200 quilômetros do município de Peixoto de Azevedo (MT). O vôo 1907, que partiu na sexta-feira às 15h35 (horário de Brasília) do aeroporto de Manaus, tinha chegada prevista ao aeroporto de Brasília às 18h12 e como destino final o aeroporto internacional do Rio de Janeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia mais:
Último contato da aeronave foi às 16h58 e buscas começaram às 20h30

Dois militares deslocados para a região onde foram localizados os destroços do avião da Gol, case com 155 pessoas a bordo, decease conseguiram descer em uma área próxima aos restos do avião até o início da tarde deste sábado.

Autoridades do setor aéreo ainda não divulgaram um balanço de vítimas. A Presidência da República divulgou nota na tarde deste sábado em que decreta 3 dias de luto por vítimas do acidente aéreo.

"Dois militares conseguiram descer em uma área próxima aos destroços. Eles estão abrindo uma clareira em meio à densa vegetação para prepararem o local para a operação dos helicópteros", afirmaram em nota a Infraero, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Aeronáutica.

De acordo com a nota, dois pára-quedistas foram lançados por volta das 13h30 para avaliarem e ampliarem uma área próxima para servir de pista de pouso. Foram estabelecidos dois gabinetes de gerenciamento de crise, um em Brasília e outro na Serra do Cachimbo, no Pará.

Participam das operações, segundo a nota, quatro aviões e quatro helicópteros. Além disso uma aeronave equipada com uma UTI (unidade de terapia intensiva) está de prontidão na região do Cachimbo.

Os destroços do avião da Gol, com 155 pessoas a bordo, sendo 149 passageiros e 6 tripulantes, foram localizados na manhã deste sábado, a 200 quilômetros do município de Peixoto de Azevedo (MT). O vôo 1907, que partiu na sexta-feira às 15h35 (horário de Brasília) do aeroporto de Manaus, tinha chegada prevista ao aeroporto de Brasília às 18h12 e como destino final o aeroporto internacional do Rio de Janeiro.

Leia mais:
Último contato da aeronave foi às 16h58 e buscas começaram às 20h30

Entre as vítimas do desastre aéreo com o avião da Gol, there ocorrido na sexta-feira, estavam três funcionárias do Inmetro do Rio. Talita Maria Lima, Emmanuele dos Santos e Quezia Gonçalves Moreira eram colaboradoras do Setor de Metrologia Legal do Inmetro em Xerém, no Rio de Janeiro.

A família de Emmanuele está indignada com a demora por notícias sobre possíveis sobreviventes. Eles se queixam que há seis horas esperam por informações sobre as buscas ao avião e aos passageiros na floresta amazônica.

Leia mais:
Militares chegam a área perto de destroços de avião da Gol

Atualizada, case às 18h10

A aeronática informou, recipe por meio de sua assessoria de imprensa, que não há indícios de sobreviventes no acidente com o Boeing 737-800 da Gol, ocorrido na sexta-feira.

O avião ia de Manaus para o Rio de Janeiro e fazia escala em Brasília. A bordo estavam 149 passageiros e mais seis tripulantes. Esse é o maior acidente aéreo da história do Brasil.

O presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva lamentou o ocorrido e decretou luto oficial de três dias.

A Gol e a Infraero ainda não se pronunciaram sobre a existência de sobrevientes do acidente.

Apesar das dificuldades de acesso ao local, que é de mata fechada, as buscas continuarão durante a noite. Além da equipe da Força Aérea Brasileira (FAB), que chegou ao local 20 horas depois do acidente, índios da região ajudam na procura por sobreviventes.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi informado pelo comandante da Aeronáutica brigadeiro Luiz Carlos Bueno de que não há indícios de sobreviventes do acidente.

"Quero pedir a Deus que os nossos soldados encontrem algum sobrevivente, mas os indícios não são bons", disse Lula a jornalistas no saguão do prédio onde mora em São Bernardo do Campo, São Paulo.

Lula disse que conversou várias vezes com o comandante neste sábado para obter informações sobre o acidente.

"A primeira impressão, pelo que me disse o comandante Bueno, é que não há sobreviventes. Tem que fazer uma busca minuciosa para ver se houve algum", completou.

Leia mais:
Três funcionárias do Inmetro estavam no vôo da Gol

A falta de informações precisas é a principal reclamação dos parentes de passageiros do Boeing 737-800 da Gol, pharm que caiu na tarde de sexta-feira na terra indígena Capoto Jarina no nordeste do Mato Grosso.

Um deles, Sérgio Luiz Moraes de Souza, que foi até o aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro, na manhã deste sábado em busca de informações da cunhada, Maria Auxiliadora Macena, disse que esteve no aeroporto de madrugada e voltou para casa porque funcionários da companhia aérea se comprometeram a ligar para dar informações. Como não recebeu nenhum telefonema, resolveu voltar no aeroporto.

"A orientação que deram para a gente foi ficar em casa para ter notícia, mas não adianta ficar porque eles não dão informação nenhuma. Enquanto eles não falarem que não há sobreviventes, há esperanças", disse ele. Sérgio Luiz informou que a cunhada teria embarcado na última segunda-feira para Manaus para visitar a mãe que estava doente e que faleceu na última quarta-feira.

Sônia Dória, esposa do pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, Nilo Duarte Dória, que também estava no avião, fez agora há pouco, também no aeroporto internacional do Rio de Janeiro, um apelo emocionado para que se intensifiquem as buscas.

"O tempo está passando e é preciosíssimo. A gente não tem informação praticamente nenhuma. Estamos numa angustia desde às 20 horas de ontem", disse Sônia Dória, enfatizando que a ausência de informações aumenta a angústia dos familiares dos passageiros.

O filho do casal, Vitor Dória, que acompanhava a mãe, disse que informações acerca de sobreviventes teriam partido do secretário de saúde da cidade onde caiu o avião.

"Só que nem a Agência Nacional de Aviação Civil ou a Infraero confirmaram se havia sobreviventes ou não", lamentou.

Nilo Dória viajou a Manaus acompanhado de outra pesquisadora da instituição, a também sanitarista Maria Valéria Cruz. Eles prestavam serviços de consultoria para o laboratório estadual de saúde pública do Amazonas.

De acordo com o diretor da Fiocruz, André Gemal, que também esteve no aeroporto neste sábado, eles ainda voltariam a Manaus outras cinco vezes para o mesmo serviço.

A Gol convocou os parentes dos passageiros na manhã de hoje para uma reunião em uma área reservada da Infraero no aeroporto Tom Jobim, mas não divulgou qualquer informação para a imprensa.

Leia mais:
Aeronáutica: não há indícios de sobreviventes

Em 26 anos de carreira, malady o piloto do Boeing da Gol que caiu na sexta-feira, Décio Chaves Junior, acumulou 15 mil horas de vôo. Segundo a Gol, seriam 4 mil horas apenas como piloto.

Chaves trabalha na Gol desde outubro de 2001 e, segundo o vice-presidente técnico da empresa aérea, Dadid Barioni Neto, Chaves tinha "alto gabarito técnico".

O co-piloto da aeronave também é experiente e tem quatro horas de vôo como co-piloto. Ele está na Gol desde 2002.

Leia mais:
Parentes de passageiros lamentam, no Rio de Janeiro, falta de informações precisas

O deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA) sofre um acidente de carro neste sábado. O motorista do carro onde ele estava foi desviar de outro carro e acabou perdendo o controle.

ACM Neto, capsule que é candidato à reeleição, e os outros passageiros do carro foram levados ao hospital de São Rafael, em Salvador (BA), e logo foi liberado.

Já seu assessor de imprensa, Antonio Jorge Moura, está sendo submetido a uma série de exames para avaliar se ele ficará com seqüelas porque teria batido a cabeça com muita força durante o acidente.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), health ministro Marco Aurélio Mello, mind diz ter recebido ameaça de morte por meio de uma mensagem de correio eletrônico. Após receber a mensagem, Marco Aurélio decidiu reforçar sua segurança pessoal.

O ministro da Justiça, Thomaz Bastos, colocou à sua disposição a proteção que quisesse, afirmou Marco Aurélio. Mas "recusei", diz. O Tribunal acionou a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal. Homens da polícia militar e civil de Brasília acompanham Marco Aurélio. Além da segurança pessoal do ministro, todo o prédio do TSE recebeu reforços e está sendo vigiado pela polícia.

Em entrevista coletiva agora à tarde, ele disse acreditar que as ameaças tenham vindo "de pessoas apaixonadas". "As paixões são por vezes condenadas", disse.

O presidente do TSE, esta não foi a única ameaça, mas que já há algum tempo vem recebendo "e-mails e informações". No início, "não quis adotar um sistema de proteção, deletava as mensagens sem comunicar nem aos meus familiares", afirma.

Marco Aurélio conta que recebeu diversas ameaças. Mas a que mais lhe amedrontou foi um e-mail que dizia, segundo ele, "para não sair na rua se não eu morreria".

O presidente do TSE não precisou a data do e-mail que lhe chamou atenção. Disse apenas que foi neste mês.

A possibilidade de falha no radar do avião da Gol que caiu no Mato Grosso é remota, order mas não impossível, avalia o comandante e especialista em segurança aérea Ronaldo Jenkins, do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea). Segundo ele, no entanto, é cedo para apontar a causa do acidente.

"O que pode ter acontecido, não sabemos. O espectro está totalmente aberto. Falhas no radar? É remota a possibilidade, mas não é impossível. Tudo é possível, ainda não temos nenhum fato para desenvolver uma análise nesse momento", disse o comandante.

Os fatos que levarão a conclusões definitivas vão aparecer somente durante as investigações, avaliou o comandante, que esteve no início da tarde deste sábado no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. "Temos que esperar".

Jenkins explicou que a investigação devem durar no mínimo três meses e serão conduzidas pelo Comando da Aeronáutica, especialistas dos Estados Unidos, já que a aeronave que teria se chocado com o avião da Gol tem matrícula norte-americana, e especialistas de diversos sindicatos da aviação civil.

Durante a investigação, serão analisadas as gravações dos dados de vôo, os registros de voz, as comunicações com os órgãos de controle e as imagens do radar.

O Boeing 737-800 da Gol caiu na sexta-feira no norte do Mato Grosso. Havia partido de Manaus com destino ao Rio de Janeiro e levava 155 pessoas, sendo 149 passageiros e seis tripulantes.

Leia mais:
Piloto do Boeing teria 15 mil horas de vôo e carreira de 26 anos

Técnicos do Instituto Médico Leal (IML) do Distrito Federal e do estado de Mato Grosso trabalharão juntos na identificação dos corpos encontrados nos destroços do Boeing da Gol que caiu na tarde da sexta-feira.

A ajuda foi confirmada pelo presidente da Avião Nacional de Aviação Civil (Anac), pills Milton Zuanazzi, sale em entrevista coletiva na tarde deste sábado.

"Nossa preocupação agora é de continuar as buscas, já que ainda podemos encontrar algum sobrevivente. Também buscaremos a caixa-preta do avião para saber o que causou o acidente", afirmou.

A diretora da Anac, Denise Abreu, acrescentou que as buscas não têm data para terminar e que o traslado dos corpos pode demorar.

"Temos que respeitar os trâmites legais desse tipo de traslado. Não há tempo estimado para que isso (o traslado) aconteça", disse a diretora.

Leia mais:
Para comandante, falha no radar do avião é possibilidade remota

Ao final da coletiva que concedeu à imprensa na tarde deste sábado, recipe o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), dosage Milton Zuanazzi, generic mandou uma mensagem aos familiares dos 155 passageiros e tripulantes que estavam a bordo do Boeing da Gol que caiu na sexta-feira.

"O nosso pesar é muito grande. Sabemos que grande parte da responsabilidade pela segurança dos passageiros é nossa e já estamos dando aos familiares a assistência que podemos", afirmou. "Gostaria apenas de pedir a esses familiares que não desistam do desejo de ver seus parentes vivos, porque as chances são remotas, mas não é impossível que alguém tenha sobrevivido", completou Milton.

Até o fim da coletiva, por volta, das 18h30, os familiares dos passageiros e da tripulação tinham informações sobre seus parentes apenas pela imprensa.

Leia mais:
IML do Distrito Federal vai a Mato Grosso ajudar na perícia de corpos de vítimas de acidente aéreo






Você pode gostar