Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Nova explosão de casos de covid seria catastrófica, diz Fiocruz

Fiocruz alerta que a média de casos positivos não caiu e que é hora de reorganizar políticas de testagem e ofertas de leitos

Por Willian Matos 14/05/2021 8h20
Foto: André Coelho/AFP

Em nova edição do Boletim do Observatório Covid-19, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) mostra que o número de pacientes que testam positivo para a doença no Brasil ainda é alto e cresceu 0,3% na última semana. A fundação afirma que uma nova explosão de casos seria catastrófica, já que os números ainda são altos.

Ao longo da última semana, o país registrou uma média diária de 61 mil casos e de 2,1 mil óbitos por Covid-19. As mortes até apresentaram ligeira queda, caindo, em média, 1,7% ao dia.

O indicador, que alcançou o recorde de 4,5% em março, caiu para 3,5% na semana entre os dias 2 e 8 de maio. No entanto, ainda está bem acima da taxa de 2% verificada no final do ano passado, por exemplo.

A Fiocruz alerta que esse é o momento de reorganizar e ampliar as estratégias de testagem e os serviços de saúde para evitar um novo caos. A pesquisadora Margareth Portela, que integra o Observatório, acrescenta ainda que as medidas de prevenção do contágio continuam sendo essenciais, para que essa redução de casos e mortes se sustente.

Leitos de UTI

O Boletim do Observatório Covid-19 assinala que as taxas de ocupação de leitos de UTI, reservados para pacientes com a doença na rede SUS, apresentaram algumas quedas relevantes entre os dias 3 e 10 de maio, especialmente nas Regiões Norte, Centro Oeste e Sudeste do país.

Ainda assim, 13 estados permanecem na zona crítica de alerta, e sete deles estavam com taxas iguais ou superiores a 90%, com destaque para o Sergipe, com 97, Pernambuco, com 96 e Paraná com 93.

Entre as 13 capitais também em situação crítica, Aracaju ocupa a primeira posição, com 99% de ocupação de vagas de tratamento intensivo, mas também preocupa o cenário em Natal, com 96, e no Rio de Janeiro, 93% dos leitos ocupados. Com informações da Agência Brasil

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar