Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Covid: Número de novos casos cai 7% e óbitos 4%

Na última semana, o país apresentou redução nos registros da doença em 13 estados e no Distrito Federal, aumento em seis e estabilização em sete

Photo by SEBASTIEN BOZON / AFP

Em nova atualização do Boletim Epidemiológico sobre a Covid-19, o Ministério da Saúde informou, nesta quinta-feira (22), que o país fechou a última semana com uma redução de 7% no número de casos confirmados da doença. Entre os dias 11 e 17 de abril de 2021, foram 455.085 casos – 36.324 a menos comparado com a semana epidemiológica anterior (491.409 casos).

Podendo ser considerado uma estabilização nos números, durante o mesmo período foram registradas 20.344 mortes, representando uma queda de 4% em relação à semana anterior. O maior registro de novos óbitos ocorreu em 8 de abril de 2021, com um total de 4.249 notificações em um dia.

Na última semana, o país apresentou redução nos registros da doença em 13 estados e no Distrito Federal, aumento em seis e estabilização em sete.

Os estados que tiveram redução foram: Amapá, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Minas Gerais, Amazonas, Distrito Federal, Ceará, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, São Paulo, Acre e Mato Grosso. A estabilização dos casos ocorreu no Rio Grande do Sul, Rondônia, Rio de Janeiro, Paraíba, Piauí, Paraná e Tocantins e o aumento ocorreu na Bahia, Santa Catarina, Sergipe, Alagoas, Roraima e Maranhão.

Dez estados apresentaram queda no número de mortes, enquanto em nove houve aumento nos registros. Outros sete estados e o DF tiveram estabilização.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A redução no número de novos óbitos ocorreu no Amazonas, Ceará, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Paraíba, Rio Grande do Norte e Espírito Santo. Houve estabilização no Maranhão, Distrito Federal, Goiás, Rondônia, Bahia, São Paulo, Alagoas e Tocantins. O aumento foi constatado no Sergipe, Piauí, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Acre, Amapá, Roraima e Pará.

NOTIFICAÇÕES EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Em 2021, até o dia 19 de abril, foram confirmados 81.574 casos de Síndrome Gripal (SG) por covid-19 em profissionais de saúde. As profissões com maiores registros da doença foram técnicos/auxiliares de enfermagem (29,5%), enfermeiros (16,9%), médicos (10,8%), farmacêuticos (5,4%) e agentes comunitários de saúde (5,2%).

Até 17 de abril, foram confirmados 951 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) hospitalizados em profissionais de saúde por covid-19. Outros 315 casos encontram-se em investigação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

VARIANTES

De 9 de janeiro até 17 de abril, 2.074 de casos de covid-19 pelas variantes foram identificados em 25 Unidades Federativas. Desses, 73 são da variante do Reino Unido (B.1.1.7), 1.998 da variante do Amazonas (P.1) e 3 da variante da África do Sul (B.1.351).

Até 17 de abril, foram registrados 11 casos de reinfecção no país – cinco pela variante do Amazonas (VOC P.1). Os estados que registraram casos de reinfecção, até o momento, são: Rio Grande do Norte (1), Goiás (1), São Paulo (3), Minas Gerais (1), Paraná (1), Amazonas (3) e Santa Catarina (1).

VIGILÂNCIA DA VACINAÇÃO

O Ministério da Saúde está atento e acompanhando todos os casos notificados de eventos adversos supostamente ligados à vacinação contra a covid-19 no Brasil. De maneira geral, a maioria dos eventos adversos graves com associação temporal às vacinas são apenas eventos coincidentes, não correspondendo a eventos causados pelos imunizantes. Desta forma, a diferenciação entre esses dois tipos de eventos requer uma investigação aprofundada de cada caso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foram notificados, nos dois primeiros meses da Campanha de Vacinação contra Covid-19 (18/1 a 21/3/2021), 39.234 casos suspeitos de Eventos Adversos Pós-Vacinação (EAPV). Destes, 37.780 foram classificados como sem gravidade. É importante ressaltar que os EAPVs não possuem necessariamente uma relação direta com a aplicação da vacina. A pasta coordena investigações detalhadas para acompanhar essas notificações.

As informações são do Ministério da saúde






Você pode gostar