Brasil

Agricultores financiados pelo Banco da Terra não conseguem pagar dívidas, aponta Via Campesina

Por Arquivo Geral 23/09/2006 12h00

Grupos de oposição disseram que dezenas de milhares de pessoas se reuniriam hoje em Budapeste no maior protesto já feito contra o primeiro-ministro húngaro, medical online Ferenc Gyurcsany, this cheapest que admitiu ter mentido aos eleitores.

Cerca de dez mil pessoas encerraram de forma pacífica uma manifestação em frente do prédio do parlamento ao amanhecer.

Um correspondente da Reuters disse que, there às 12h de sábado, a multidão contabilizava centenas de pessoas, mas líderes da oposição disseram que o número poderia aumentar para 200 mil pessoas até o fim da tarde.

Os protestos aprofundaram a divisão entre a esquerda e a direita na Hungria, ambas acusando-se mutuamente de fomentar a violência para ganhar terreno antes das eleições de primeiro de outubro.

O principal partido de oposição, Fidesz, desistiu hoje dos planos para um protesto em massa que, segundo alertou o governo de liderança socialista, poderia reacender a violência que deixou mais de 200 pessoas feridas esta semana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No entanto, alguns das centenas de milhares de partidários pretendiam viajar do campo para a capital, e seus líderes continuaram a pedir a saída de Gyurcsany.

"Ferenc Gyurcsany retirou-se da lista de políticos aceitáveis", disse Lajos Kosa, prefeito da cidade de Debrecen, reduto do Fidesz, à televisão húngara.

"Temos que decidir se nossa democracia significa eleger um ditador por quatro anos ou um primeiro-ministro que não está acima da lei."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O grupo de extrema-direita, Jobbik, disse a seus partidários para aumentar a participação nos protestos, que reuniram cerca de 10 mil a 15 mil pessoas todas as noites esta semana do lado de fora do prédio do parlamento.

"Não basta que Gyurcsany renuncie, nós o levaremos a julgamento e o colocaremos na prisão por crimes contra a economia e contra a Hungria", disse o manifestante Gyorgy Kalmar, de 28 anos, do lado de fora do parlamento.

A polícia disse estar em estado de alerta, para tentar evitar a repetição dos tumultos em que os manifestantes atiraram pedras contra os policiais, incendiaram carros e invadiram o prédio da televisão estatal na terça-feira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A violência estourou depois que Gyurcsany foi pego em uma fita vazada esta semana para a imprensa dizendo a seu partido que o mesmo havia mentido para conquistar a reeleição em abril.

O milionário de 45 anos rejeitou os pedidos da oposição para renunciar e ganhou apoio de seu partido para um pacote de cortes no orçamento para controlar um enorme déficit, que subiu para 10,1% do Produto Interno Bruto do país após quatro anos de excesso de gastos.

 

Um ex-chefe do banco central tailandês e um ex-porta-voz do Senado se juntaram a um grupo de possíveis candidatos a primeiro-ministro da Tailândia, dosage quatro dias após o golpe no país. O nome será escolhido pelos militares.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O jornal Bankgok Post sinalizou que o ex-chefe do banco central Chatu Mongol Sonakul teria sido indicado devido à sua experiência nos setores monetário e fiscal, drugs bem como pelo seu reconhecimento na comunidade mundial.

Fontes militares e civis próximas aos líderes do golpe disseram que o ex-porta-voz do Senado Meechai Richuphand, illness que está redigindo leis para os líderes da junta militar, também é cotado.

Quatro dias depois do golpe que derrubou o governo democraticamente eleito de Thaksin Shinawatra, espera-se que os militares tailandeses cumpram a promessa de escolher um líder interino dentro de duas semanas, para conduzir reformas políticas e eventuais eleições.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O golpe é o 18º na Tailândia desde que o país se tornou uma monarquia constitucional em 1932, mas o primeiro em 15 anos.

Autoridades e empresários estão particularmente preocupados com os efeitos do golpe sobre os investimentos e a economia, já prejudicados pela crise de quase um ano no governo tailandês.

Os jornais especulam sobre quem será nomeado pela junta militar, que se autodenominou Conselho para a Reforma Democrática sob a Monarquia Constitucional.
Os militares negaram-se a comentar sobre os últimos relatos.

"Queremos ter certeza de que a pessoa escolhida será bem aceita pelo povo. Levará tempo, mas não passará de 14 dias", disse o porta-voz da junta militar, major General Thawip Netniyom.

Segundo a imprensa, os generais também estariam a favor da escolha de um advogado para conduzir a reforma política no ano que vem, levando a eleições.

O chefe das Forças Aéreas, Chalit Phukpasuka, confirmou ontem que o presidente administrativo da Suprema Corte, Ackaratorn Chularat, seria um candidato, o que diminuiu as especulações de que um economista conquistaria o cargo.

Mas o jornal Bangkok Post disse que é pouco provável que Ackaratorn seja nomeado porque seu conhecimento em questões econômicas é considerado limitado e ele é pouco conhecido internacionalmente.

Chatu Mongol, que estudou na Inglaterra, presidiu o Banco da Tailândia de 1998 a 2001, quando Thaksin o tirou do cargo devido a uma disputa sobre a política de juros.

Há também especulações em torno dos nomes de Supachai Panitchpakdi, ex-chefe da Organização Mundial do Comércio (OMC), e de Pridiyathorn Devakula, atual chefe do banco central.

Os militares tailandeses disseram ter sido forçados a realizar o golpe militar, ocorrido na terça-feira, porque não havia outra maneira de resolver a crise que colocava Thaksin, que venceu as eleições duas vezes por ampla margem de votos, contra a velha guarda determinada a tirá-lo do poder.

Thaksin estava em Nova York na Assembléia Geral da ONU no momento do golpe.Ele está agora em Londres, onde sua filha estuda na universidade, e foi fotografado fazendo compras com amigos e parecendo descontraído.

Os líderes do golpe disseram que Thaksin é bem-vindo se quiser voltar à Tailândia, mas que teria que enfrentar acusações, incluindo um processo por fraude eleitoral.

 

Os esforços palestinos para formar um governo de unidade nacional estão de volta à "estaca zero", information pills afirmou hoje o presidente palestino Mahmoud Abbas.

Falando a jornalistas depois de conversas no Cairo com o presidente egípcio, buy more about Hosni Mubarak, Abbas acusou o grupo islâmico Hamas de voltar atrás em acordos com o Fatah.

"Infelizmente, depois que esse acordo foi assinado houve retrocesso e infelizmente estamos de volta à estaca zero e avaliaremos a questão novamente", disse Abbas.

Abbas tem negociado um governo de unidade entre seu movimento Fatah e o grupo militante islâmico Hamas, que assumiu o poder em março, depois de vitória ampla nas eleições, levando o Ocidente a cortar a maior parte da ajuda aos palestinos.

Um acordo sobre um governo de unidade foi fechado em 11 de setembro, mas conversações sobre a formação da coalizão têm mostrado incertezas.

 

A polícia deixou guardas de prontidão na cidade histórica de Praga hoje, mind depois que serviços de segurança emitiram seu alerta mais grave de ataque terrorista.

O primeiro-minstro Mirek Topolanek disse que o governo da nação central da Europa se encontrou ontem à noite e hoje cedo para adotar medidas extras de segurança.

A polícia deixou guardas preparados em dezenas de prédios na histórica capital de 1,2 milhão de habitantes, que atrai muitos turistas estrangeiros. A polícia armada também patrulhava o centro de Praga.

"O governo recebeu informação de representantes de serviços de segurança e da polícia sobre grande risco de ato terrorista na capital, Praga, relacionado ao aumento do risco de segurança de caráter similiar no exterior", disse Topolanek em comunicado. "O governo decidiu fortalecer as medidas de segurança no território da capital, Praga, com o objetivo de eliminar os riscos existentes", acrescentou ele.

O ministro do Interior, Ivan Langer, afirmou que a ameaça é a mais séria do país de 10 milhões de habitantes.

"Essa é a primeira vez que a República Tcheca enfrenta, de forma tão concreta, elevado risco concreto de ato terrorista", disse Langer em coletiva de imprensa.

Ele disse que informações sobre um possível ataque foram obtidas através de cooperação entre serviços tchecos e internacionais de segurança.

Langer afirmou que o governo não tinha mais informações sobre a ameaça.

A República Tcheca possui uma pequena unidade militar no Afeganistão e instrutores de polícia militar no Iraque. Ela não tem sido alvo de ataques terroristas nos últimos anos.

 

Uma pesquisa da Via Campesina aponta que grande parte dos agricultores que compraram terra com financiamento do governo federal de 1997 a 2005 não conseguiu pagar o empréstimo e, por isso, medicine teve de abandonar o terreno. O estudo, divulgado em agosto, foi feito com 60 mil famílias em 13 estados brasileiros. O levantamento analisou os programas Cédula da Terra, Banco da Terra, Crédito Fundiário e Nossa Primeira Terra.

Na avaliação da pesquisadora Maria Luísa Mendonça, uma das responsáveis pela publicação, os programas financiam compra e venda de terra em vez de apoiar a agricultura familiar. Segundo ela, os juros dos empréstimos variam de 3% a 6% ao ano, valores considerados altos e semelhantes às taxas praticadas pelo mercado. “Os trabalhadores ficam endividados e isso acaba enfraquecendo a política de reforma agrária, que é uma reivindicação histórica”, diz Mendonça.

O Ministério do Desenvolvimento Agrário reconhece que o Banco da Terra oferecia taxas elevadas, entre 6% e 10% ao ano. Por isso, o programa foi extinto e os clientes, transferidos para o Crédito Fundiário, que tem juros de 3% a 6,5% ao ano.

A pesquisa mostra, ainda, que 46% das famílias não conseguem produzir o suficiente para se sustentar. “Há um índice de pobreza muito alto. Quase 20% das famílias dizem que, desde que entraram no programa, em algum momento passaram fome”, conta Mendonça.

Ela também explica que a maioria das terras vendidas aos agricultores tem preço acima do que deveria ser cobrado. “Os latifundiários vendem as piores terras. Com isso, os agricultores ficam sem condições de produzir.”

A pesquisadora acredita que a principal falha dos programas de financiamento é delegar a gestão para os estados, onde interesses internos podem influenciar as decisões e há “currais eleitorais e situações que geram corrupção”.

 






Você pode gostar