Brasil

Acordo ortográfico da língua portuguesa não tem data para entrar em vigor, diz Amorim

Por Arquivo Geral 02/11/2007 12h00

O ministro das Relações Exteriores, medical Celso Amorim, recusou-se hoje (2) a adiantar uma data para a entrada em vigor do acordo ortográfico da língua portuguesa, mas salientou a importância desse entendimento.

“Isso [data para entrada em vigor], só com bolinha de cristal, que eu não tenho”, afirmou Celso Amorim à Agência Lusa, ao final de uma audiência com o primeiro-ministro português, José Sócrates.

O chanceler brasileiro frisou que não abordou este tema com Sócrates, mas apenas com o ministro português das Relações Exteriores, Luís Amado, e o Conselho de Ministros da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa).

“Todos reconhecemos que é importante ter o acordo ortográfico, até para fortalecimento da língua”, afirmou Celso Amorim. “Para que possamos todos trabalhar em conjunto, o acordo é fundamental. Como podemos trabalhar se um diz actual e o outro, atual?”, exemplificou.

Por outro lado, o ministro admitiu que é necessário haver “compreensão” pela demora de alguns países em adotar o acordo.

Em princípio, a ortografia comum da língua portuguesa já poderia entrar em vigor, porque três dos oito países lusófonos (Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe) já ratificaram o acordo e também o protocolo que o modifica.

O protocolo modificativo, aprovado em 2004, em São Tomé e Príncipe, durante cúpula dos chefes de Estado e governo da CPLP, permite que o acordo vigore com a ratificação de apenas três países da comunidade. Recentemente, Portugal propôs um prazo de dez anos para colocar o acordo em vigor.

Segundo especialistas, as modificações propostas devem alterar 1,6% do vocabulário de Portugal. No Brasil, a mudança prevista é de 0,45%.






Você pode gostar