fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Médica desabafa após diagnosticar 200 novos casos de Covid-19

“Eu não quero dar o diagnóstico de morte”, desabafa a Elisabeth em um trecho

Avatar

Publicado

em

Foto: Reprodução/Instagram
PUBLICIDADE

A infectologista Elisabeth Dotti Consolo utilizou as redes sociais para expor a preocupação em relação ao desrespeito às medidas de distanciamento, necessárias no combate ao novo coronavírus. O vídeo postado pela profissional de saúde foi motivado pelo crescente número de diagnósticos da doença. “Eu não quero dar o diagnóstico de morte”, desabafa a Elisabeth em um trecho.

A médica atende na Baixada Santista, no litoral de São Paulo. Após gravar e postar o vídeo, o relato da profissional ganhou repercussão na internet. No domingo (31), um dia antes da publicação, ela havia diagnosticado 200 novos casos de Covid-19 apenas em um drive thru de testes rápidos, durante o final de semana.

Elisabeth explica que passou o dia inteiro atuando no drive-trhu da prefeitura e presenciou diversos casos positivos da doença, incluindo uma criança de dois meses e um idoso de 98 anos. Ela se indignou sobretudo com a quantidade de pessoas frequentando a praia, mesmo diante da pandemia. Elisabeth conta que revelar o diagnóstico positivo do novo coronavírus para um paciente tem sido muito difícil. “Não posso nem dizer que vai ficar tudo bem, porque eu não sei se vai”, explica.

Durante o vídeo, que tem quase sete minutos, Elisabeth descreve a reação dos pacientes ao descobrir que estão com a Covid-19. “É uma coisa tão triste e muito trágico. A pessoa olha para você, o olho vai enchendo e ela chora”. Ela explica que a doença é perigosa e não é uma invenção da mídia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu não quero ter que dar um diagnostico de Covid-19 para você ou para a sua família. Eu não quero dar um diagnóstico de morte para você ou para a sua família, como eu tive que dar vários. Isso é muito triste, muito doído. Por favor, vamos levar essa doença a sério, vamos nos isolar o máximo possível. Vamos parar com essa coisa patética de que não é tudo isso, que não mata. Cada um no seu quadrado” finaliza.

Foto: Arquivo pessoal


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade