fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Estudante que fez posts racistas consegue acordo para não ser indiciado

Acordo é proposto com base na Lei Anticrime, que entrou em vigor em todo o Brasil em 23 de janeiro deste ano

Avatar

Publicado

em

Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

O estudante de Direito que estava sendo investigado por compartilhar imagens racistas nas redes sociais poderá não ser indiciado. Isso ocorre porque, após a conclusão do inquérito, o Ministério Público (MP) propôs um acordo de não persecução penal. No entanto, a homologação do acordo ainda depende do Poder Judiciário.

O investigado estudava em uma universidade de Santos, no litoral paulista. O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) ainda não determinou a data da audiência para decidir se irá ou não aceitar o acordo.

Na época em que as publicações foram feitas, vários alunos da atlética do curso de Direito repudiaram a atitude do suspeito. Além, as vítimas relataram que o racismo sofrido ‘doía na alma’.

Foto: Reprodução/Instagram

Após as denúncias, a universidade encaminhou o caso ao Ministério Público. Menos de uma semana depois, o estudante deixou a universidade e, em entrevista ao Portal G1, afirmou que foi mal interpretado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O caso chegou ao Poder Judiciário em outubro, após um inquérito, nos termos da lei do crime de racismo, ter sido instaurado na Delegacia Sede de Guarujá, onde o jovem residia. De acordo com a Lei 7.716/1989, o condenado por injúria racial pode ser condenado a cumprir de 2 a 5 anos de prisão. No entanto, o MP propôs um acordo para que o jovem não seja condenado.

O acordo é proposto com base na Lei Anticrime, que entrou em vigor em todo o Brasil em 23 de janeiro deste ano.

Veja abaixo os requisitos para que o acordo seja estabelecido:

  • O investigado tem que confessar o crime
  • Tem que ser réu primário
  • Crimes de pena mínima inferior a 4 anos
  • Crimes sem violência ou grave ameaça
  • Não pode haver elementos que indiquem ser criminoso habitual
  • Acordo não pode ser feito para violência doméstica, familiar ou contra a mulher
  • O acusado deve seguir regras: renunciar ao proveito do crime, prestar serviços à comunidade, devolver o bem à vítima, pagar multa ou ajudar entidade social
  • O MP não oferece denúncia e o inquérito é arquivado, sem abertura de processo

De acordo com o promotor de Justiça Marcelo Sanchez Lorenzo, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Guarujá, todos os requisitos da lei foram atendidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma das postagens supostamente feitas pelo investigado / Foto: Reprodução




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade