Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Parlamento se reúne para definir futuro do Brexit

Johnson diz que “não há alternativa melhor” ao acordo negociado por ele, que se parece muito ao texto fechado pela ex-premiê Theresa May e rejeitado três vezes pelo Parlamento

Publicado

em

Publicidade

O Parlamento britânico se reúne no sábado, 19, para definir o futuro do Brexit. O acordo fechado pelo premiê, Boris Johnson, com a União Europeia, será votado em plenário pelos deputados – a última vez que eles se reuniram em um sábado foi durante a Guerra das Malvinas, em 1982. Apesar do otimismo, analistas dizem que Johnson ainda não tem os votos necessários para aprovar sua proposta e pretende negociar até o últimos minuto.

Johnson diz que “não há alternativa melhor” ao acordo negociado por ele, que se parece muito ao texto fechado pela ex-premiê Theresa May e rejeitado três vezes pelo Parlamento. A principal diferença é a retirada da cláusula que impunha um período de transição alfandegária à Irlanda do Norte, onde fica a única fronteira física com a União Europeia. Pelos termos do Acordo da Sexta-Feira Santa, de 1998, que colocou fim à violência sectária na Irlanda, os britânicos prometeram não restabelecer barreira física de controle na fronteira entre as duas Irlandas.

Agora, segundo o novo acordo de Johnson, a Irlanda do Norte permaneceria legalmente com parte do Reino Unido, mas ficaria dentro do mercado comum europeu – situação que pode ser mantida ou modificada com aprovação do Parlamento local. Os controles ocorrerão em portos no Mar da Irlanda, por autoridades britânicas sob supervisão da UE.

O problema para Johnson é que o Partido Democrático Unionista (DUP), da Irlanda do Norte, que faz parte da base do governo, mas rejeita a ideia de o território viver sob um regime diferente do restante do Reino Unido. Sem os dez deputados do DUP, Johnson precisa convencer os eurocéticos, que estão divididos, e alguns rebeldes trabalhistas, que defendem um Brexit com acordo. Se for derrotado novamente, Johnson seria obrigado a pedir um novo adiamento das negociações e esperar que os líderes europeus aceitem.


Você pode gostar
Publicidade