fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Nova York investiga morte de homem negro encapuzado pela polícia

“A morte de Daniel Prude foi uma tragédia”, disse a promotora Letitia James em um comunicado divulgado na quarta-feira, ao anunciar a investigação

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Centenas de manifestantes pacíficos marcharam nesta quinta-feira (3) pela famosa Times Square, em Nova York, para protestar a morte de um homem negro ocorrida em março, após a divulgação de um vídeo, nesta semana, que mostra como a polícia o prendeu: colocando um capuz nele e forçando-o a se deitar de bruços no chão.

Os manifestantes se reuniram sob chuva para exigir justiça para Daniel Prude, que, segundo a família, teria morrido em 30 de março, sete dias após o episódio policial de Rochester, no norte do estado.

A morte de Prude, de 41 anos, em Rochester, norte do estado de Nova York, uma semana depois de sua prisão, foi divulgada por sua família nesta quarta-feira, e renovou a indignação pelo tratamento de pessoas negras por parte da polícia americana.

“A morte de Daniel Prude foi uma tragédia”, disse a promotora Letitia James em um comunicado divulgado na quarta-feira, ao anunciar a investigação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Compartilho das preocupações da comunidade para garantir que haja uma investigação justa e independente sobre sua morte e apoio seu direito de protestar”, acrescentou Letitia, que também é negra.

O governador do estado de Nova York, Andrew Cuomo, disse que a morte de Prude exige respostas rápidas e “total cooperação” da polícia.

“Ontem à noite assisti ao vídeo da morte de Daniel Prude em Rochester. O que vi é profundamente alarmante e exijo respostas”, disse ele em nota.

Cuomo disse estar confiante de que a investigação da promotoria trará justiça “o mais rápido possível”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Morte por asfixia –

Em 23 de março, o irmão da vítima ligou para a polícia para que ajudasse Prude, que tinha problemas psicológicos, quando este saiu de madrugada nu pelas ruas cobertas de neve.

O vídeo recém-obtido pela família, filmado pelas câmeras colocadas nas fardas dos policiais, mostra Daniel Prude nu e desarmado.

A polícia ordenou que se jogasse no chão, ele obedeceu e foi algemado, mas depois mostrou-se agitado. Os policiais, então, colocaram-lhe um capuz feito para que os agentes evitem cuspes, ou mordidas, dos detidos. Ele foi obrigado a manter a cabeça para baixo durante dois minutos.

Prude perdeu a consciência. Os policiais tentaram reanimá-lo, mas não conseguiram e o levaram para um hospital, onde morreu uma semana depois, quando foi retirado das máquinas que o mantinham com vida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o jornal local Democrat and Chronicle, a necropsia determinou que sua morte foi um homicídio causado por “complicações de asfixia devido a uma dominação física”. Também detectou um baixo nível da droga alucinógena PCP no sangue de Prude, o que foi descrito como uma complicação.

“Chamei (a polícia) para que ajudassem meu irmão, não para que o linchassem”, disse Joe Prude em coletiva de imprensa na quarta-feira.

Os policiais envolvidos não foram suspensos.

-Perturbador-

A prefeita de Rochester, Lovely Warren, que é negra, disse a jornalistas na quarta-feira que assistiu ao vídeo, que chamou de “perturbador”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu definitivamente entendo a família e tenho empatia por ela”, disse ele.

Um protesto pela morte de Prude na quarta-feira em Rochester foi dispersado pela polícia com spray de pimenta e terminou com várias prisões, informou o jornal local.

Outro protesto pelo caso está previsto para esta quinta-feira à noite na cidade de Nova York.

Em outra entrevista coletiva, o chefe de polícia de Rochester, La’Ron Singletary, admitiu a indignação pela morte de Prude, mas garantiu que o atraso na divulgação do vídeo não foi uma tentativa de encobrir o que aconteceu.

A morte em 25 de maio de George Floyd, outro homem negro, asfixiado por um policial branco em Minneapolis, desencadeou protestos gigantescos convocados pelo movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) contra o racismo e a violência policial.

A morte de Prude também ocorreu após tumultos em Kenosha, Wisconsin, depois que o afro-americano Jacob Blake foi baleado sete vezes nas costas por um policial branco em 23 de agosto, apesar do vídeo mostrar que ele não estava ameaçando os policiais.

O episódio desencadeou uma nova onda de protestos, especialmente em Kenosha, onde um jovem branco de 17 anos matou dois manifestantes.

Outros protestos abalaram Los Angeles depois que a polícia matou Dijon Kizzee, um homem negro de 29 anos que estava andando de bicicleta e aparentemente violou as regras de trânsito, na segunda-feira.

Em Washington, DC, a polícia atirou e matou um homem negro de 18 anos, Deon Kay, na quarta-feira após responder a uma denúncia de que um homem circulava armado.

As imagens das câmeras dos uniformes da polícia estão sendo analisadas e os policiais envolvidos foram suspensos.

© Agence France-Presse




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade