fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Brasil abre escritório comercial em Jerusalém e confirma intenção de instalar embaixada

Em visita a Israel em março, Bolsonaro disse que a abertura em Jerusalém de um escritório da Apex seria o primeiro passo para mudar a embaixada

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O Brasil abriu um escritório comercial em Jerusalém neste domingo, na presença de Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, que confirmou a intenção de seu pai de transferir a embaixada do país para a Cidade Santa.

Em visita a Israel em março, o presidente do Brasil disse que a abertura em Jerusalém de um escritório da agência brasileira de promoção de comércio e investimento (Apex) seria o primeiro passo para mudar a embaixada, atualmente em Tel Aviv .

Em maio de 2018, os Estados Unidos transferiram sua embaixada para Jerusalém por decisão de Donald Trump e agora o Brasil pode seguir seus passos.

Na cerimônia de domingo, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), disse que seu pai ainda deseja mudar a embaixada.

“Me disse que é certo, é um compromisso, vai transferir a embaixada para Jerusalém, fará isso”, afirmou.

Na mesma cerimônia, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu comemorou “o compromisso do presidente Bolsonaro de abrir uma embaixada em Jerusalém no próximo ano”.

O status da cidade de Jerusalém é uma das questões mais complexas do conflito israelense-palestino.

Israel ocupa Jerusalém Leste desde a guerra de 1967 e depois anexou a região, um ato que nunca foi reconhecido pela comunidade internacional.

Israel considera toda a cidade como sua capital, enquanto os palestinos querem transformar Jerusalém Leste na capital do estado a que aspiram.

A maioria das embaixadas estrangeiras está localizada em Tel-Aviv, para não interferir nas negociações entre israelenses e palestinos.

“Queremos dar esse passo em Jerusalém, não apenas para o Brasil, mas como um exemplo para o resto da América Latina”, disse Eduardo Bolsonaro, que também preside a Comissão de Relações Exteriores no parlamento.

Agence France-Presse


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade