Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Beleza e Bem Estar

O que é Incontinência Urinária? Saiba mais sobre os sintomas, causa e como tratar

A incontinência urinária, também conhecida como bexiga hiperativa é a perda do controle da bexiga, em pequenos jatos ou escapes de urina

Por Dr. Will Barros 29/11/2021 2h49
Incontinência Urinária

Muito comum entre as mulheres, a incontinência urinária acaba inibindo pequenos afazeres do dia a dia, talvez por medo de passar por constrangimentos a maioria acaba preferindo ficar em casa e aos poucos vão deixando a vida social de lado, a prática de atividades físicas ou uma simples ida ao shopping, por medo de não achar um banheiro a tempo, ocasionada pela ansiedade que acaba desenvolvendo por receio destes contratempos.

Mas, afinal o que é a incontinência urinária? Também conhecida como bexiga hiperativa é a perda do controle da bexiga, em pequenos jatos ou escapes de urina. Ocorre devido a danos nos nervos ao redor da bexiga. Como resultado, a bexiga deixa de comunicar-se efetivamente com o cérebro quando precisa ser esvaziada. Logo, é a variação de pequenos escapes ocasionais quando você tosse, ri ou espirra a uma vontade de urinar que é tão forte, que você não consegue chegar ao banheiro a tempo. Mas saiba que há tratamento e você pode ter uma vida normal e sem estes medos.

Ao contrário do que a grande maioria das pessoas pensam em relação à incontinência, pois muita gente acha que ela só afeta os idosos, uma em cada três mulheres com 35 anos ou mais sofre de incontinência. Dr. Will Barros aponta que muitas pessoas não sabem identificar que estão com o problema: “Muitas pessoas nos procuram e não fazem ideia de que já estão iniciando a incontinência urinária.

Na consulta, fazemos algumas perguntas e já detectamos que está na fase inicial. Esta fase é muito característica quando se tem uma vontade repentina de urinar e é preciso sair correndo, ou até mesmo ao fazer um exercício, quando é necessário um maior esforço e se tem uma pequena perda urinária. Por isso a indicação de procurar um médico para o diagnóstico o mais rápido possível”. Mas quais são os sintomas de incontinência? Os sintomas dependem do tipo de incontinência, e existem cinco tipos principais:

Incontinência por estresse:

A incontinência por estresse é causada por um enfraquecimento do assoalho pélvico, dos nervos que sustentam a bexiga. Quando o assoalho pélvico está enfraquecido, ele não é mais capaz de conter pequenos escapes de urina quando sofre estresse por atividades como: tossir, espirrar, rir ou levantar objetos pesados.

Incontinência de urgência:

A incontinência de urgência, também conhecida como bexiga hiperativa, ocorre devido a danos nos nervos ao redor da bexiga. Como resultado, o desejo de urinar é tão forte que você não consegue chegar ao banheiro a tempo, mesmo quando se tem apenas uma pequena quantidade de urina na bexiga.

Incontinência por transbordamento:

A incontinência por transbordamento ocorre quando a bexiga não consegue se esvaziar completamente. A pressão de uma bexiga excessivamente cheia resulta em um gotejamento ou fluxo constante e involuntário de urina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Incontinência funcional:

A incontinência funcional é o resultado de uma deficiência física ou mental que a impede de ir ao banheiro a tempo de esvaziar a bexiga.

Incontinência mista:

A incontinência mista é qualquer combinação de dois ou mais dos tipos de incontinência mencionados acima.

Causas da incontinência urinária

Gravidez, parto, prisão de ventre, estresse emocional, excesso de peso, idade (alterações hormonais associadas à menopausa), cirurgias, obstrução (bloqueios em qualquer parte do sistema urinário), distúrbios neurológicos, fumar e infecção do trato urinário.

Soluções e tratamentos para incontinência

A solução vai depender de como se trata a incontinência e do tipo de incontinência que você apresenta. E o tratamento da incontinência urinária depende da gravidade e da causa. Pode ser necessária uma combinação de tratamentos. A equipe médica pode sugerir os tratamentos menos invasivos em primeiro lugar e passar para outras opções só se as primeiras técnicas falharem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar