Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Kátia Flávia

Ana Paula Renault surge bem abalada para desmentir agressão a Flor e fala sobre Sikera Junior

A ex-BBB disse que não gravou antes porque a sua saída foi no dia da morte de Marília Mendonça

Por Kátia Flávia 27/05/2022 12h15
A ex-BBB disse que não gravou antes porque a sua saída foi no dia da morte de Marília Mendonça

Nesta quinta-feira, (26), Ana Paula Renault soltou um vídeo em seu Instagram explicando sua saída do SBT chorando e bem abalada desmentindo os rumores que tinha saído no tapa com Flor no ‘Fofocalizando’.

“Eu deveria ter gravado há muito tempo quando ocorreu meu desligamento do SBT no dia 5 de novembro e que eu criei um pandemônio no SBT. No dia seguinte, a emissora soltou um comunicado oficial desmentindo que teria batido na Flor, minha colega de elenco, e que Chris Flores interviu. E foi no dia da morte da Marilia Mendonça, então isso ficou pequeno perto do choque que todos ficamos”, começou Ana Paula.

Em seguida, ela citou que Sikera Jr. postou que os inimigos dobrariam os joelhos e o inimigo em questão era ela. “Será que é por que eu não tirei o chapéu para ele no ‘Programa do Raul Gil’? Me perguntei! E por causa disso me tornei a inimiga mortal dele, no qual ele replicou essas noticias mentirosas da minha saída do SBT. Até que a sindica do meu prédio me perguntou porque bati na Flor. Machuca, gente!”, desabafou Ana Paula chorando.

Renault disse que as pessoas tem essa imagem agressiva dela desde a participação no ‘BBB16’ e que quiseram a silenciar criando as fakes news de sua saída. “Eu nunca fui tão feliz na minha vida trabalhando no ‘Fofocalizando’ e tenho um relacionamento maravilhoso com todos eles”, Ana foi pausando a fala chorando.

“E hoje aconteceu um episódio horroroso, eu faço parte do ‘4TalkCast’ e fomos entrevistar uma pessoa de extrema direita, Bolsonarista e que tem essas falas monstruosas. Falas segregadoras, que atingem pessoas que foram marginalizadas a vida toda. No começo falou que não existia gordofobia e a pessoa duvidou debochando. Eu falei que existe um padrão que a sociedade tenta engessar e duvidou. Uma pessoa extremamente padronizada, que se compara a desenho animado só para você ter uma ideia do que estávamos lidando ali. E no decorrer dessa conversa cruel, eu não aguentei e me levantei. Me levantei porque estou frágil sim, com todos esses acontecimentos”, contou Ana Paula.

A jornalista explicou que sente a dor do outro e que falta humanidade nas pessoas. “No episodio do podcast eu levantei porque se numa mesa tem um nazista e você permanece você corrobora com aquilo. E eu acho que se eu tivesse mais forte emocionante levaria isso até o final, mas não podemos dar mais voz a esse tipo de movimento. Chegou ao ponto de dizer que não existe nazismo. Então decidi vir contar o que venho sofrendo”, disse Renault.

Por fim, a ex-Fazenda encerrou dizendo que não vão silencia-la, que ela está viva e enquanto estiver vai falar. “Com meu alcance, a gente vai potenciar vozes que precisam ser ouvidas”, encerrou Ana Paula, que é ativista em diversas causas sociais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Espero, do fundo do coração, que ela fique bem e que continue sua luta contra todos os tipos de preconceito!








Você pode gostar