Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Exposições

MAB recebe obra criada de forma coletiva em projeto cultural de inclusão social

Trata-se de uma construção coletiva baseada em muito amor, aprendizado e troca entre crianças, jovens e adultos muito especiais

Foto: Divulgação

Em 22 de novembro, o Museu de Arte de Brasília (MAB) receberá a obra de arte Borboletando. Com três metros de altura e formada por mil borboletas de cerâmica, trata-se de uma construção coletiva baseada em muito amor, aprendizado e troca entre crianças, jovens e adultos muito especiais, a começar pelo artista plástico Flavio Marzadro. Pessoa com autismo e dislexia, ele se uniu à ceramista Geusa Joseph na realização deste projeto de acolhimento às diversidades, incluindo no fazer artístico pessoas com deficiências, seja por comorbidades, mobilidade ou neuro divergências. Para o lançamento de Borboletando, aberto à população, está confirmada, entre 22 e 27 de novembro, a presença dos participantes do projeto, ou seja, dos coautores da obra de arte.

Como explicam Geusa e Flavio, cada borboletinha ali exposta é superação, e carrega ideias e possibilidades. E, das oficinas ao passeio ao Museu, para verem suas borboletas na escultura, Borboletando reside na memória afetiva de todas e todos que participaram. “Somos eternamente gratos aos coartistas, ao corpo docente das escolas, às equipes do MAB, do Educativo Mediato, aos parceiros, fornecedores e à nossa equipe nota 10. Juntos realizamos, transformamos e alçamos esse incrível voo”, declaram.

O resultado que o público poderá conferir no MAB até 28 de fevereiro de 2024 foi desenvolvido ao longo de 22 oficinas ministradas por Geusa e Flavio em cinco escolas públicas do Distrito Federal: CEE 01 Gama, CEE 01 Planaltina, CEAL-LP, CEEDV, Escola Bilingue de Taguatinga e ainda no projeto De Olho no Lance. Entre 25 e 29 de setembro, acompanhados de monitores para PCD e acessibilidade para PCDA e PCDV, os 250 participantes foram iniciados nas técnicas da cerâmica, o que permitiu a eles darem forma às suas borboletas e se tornarem co-artistas da obra. Munidos de coragem e bom humor, superaram dificuldades e, em meio a festejos, sorrisos e palmas, lindas borboletas foram nascendo, literalmente criando asas e carregando junto o esforço e capacidade criatividade de cada um.

Processo criativo

As oficinas foram pensadas como um espaço de troca onde os participantes foram acolhidos e convidados a explorar sua criatividade, brincando com o barro. Ali, livres para criar, deram origem a sonhadoras borboletas de cerâmica, imprimindo rendas, na argila branca, com texturas únicas, cada uma diferente da outra, refletindo a singularidade de cada ser. Uma vez criadas, antes de alçarem seus voos na escultura, as borboletas foram para a “biscoitagem”, processo de queima do barro, conduzido por Geusa. Queimadas, seguiram para a esmaltagem, processo que também contou com as mãos arteiras das crianças. Por fim, mais uma queima e, brilhantes, foram fixadas à estrutura da obra, uma a uma, num minucioso trabalho. E pronto, o vôo de pensamentos borboletas de centenas de crianças toma sua forma e agora chega à exposição.

Origem

Flavio Marzadro e a ceramista Francesca Sarti são italianos e pais de filhos neurodivergentes. Há dez anos, na Itália, eles desenvolveram o projeto que deu origem a Borboletando em uma ação pelo “Dia da Dislexia”, comemorado em 16 de novembro. Na ocasião, a partir de oficinas itinerantes pelas regiões da Ligúria, Trentino e Piemonte, eles contaram com a colaboração de cerca de mil crianças disléxicas, assistidas por associações, para confeccionarem as borboletas. Na versão 2023, a diferença fundamental está na extensão do projeto a jovens e adultos e inclusão de várias deficiências.

Realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Economia Criativa e Cultura do Distrito Federal, o projeto conta com acessibilidade em libras, audiodescrição, monitores para auxiliar nas dificuldades de locomoção e transporte para levar os participantes ao MAB. A obra oferece recursos de acessibilidade como audiodescrição via QR Code e placa em braile.

Serviço:
‘Borboletando’
No Museu de Arte de Brasília
De 22 de novembro 2023 a 28 de fevereiro 2024

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar