Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Vítimas de quadrilha de roubo de caminhões eram amarradas e agredidas

Publicado

em

Tainá Morais
[email protected]

As vítimas de uma quadrilha especializada em roubos de caminhões e caminhonetes eram amarradas, agredidas e ameaçadas, segundo o delegado responsável pelas investigações, Bruno Ehndo. “Elas eram presas a árvores, em locais ermos, e largadas à própria sorte”, revela.

As apurações tiveram início em abril último, após o grupo roubar uma caminhonete em Valparaíso (GO), Região Metropolitana do Distrito Federal. Durante uma perseguição entre os bandidos e a Polícia Militar, Carlos Gabriel Mendonça, 20 anos, começou a trocar tiros com os policiais. “Eles acabaram abandonando o veículo e fugiram, mas deixaram a arma de fogo cair”, explica o delegado.

Foram quatro meses até a prisão dos acusados, que aconteceu na madrugada desta quarta-feira (15), em suas respectivas residências, localizadas em Luziânia (GO). Com eles foram recuperados dois caminhões, duas caminhonetes Toyota Hilux e dois carros VW Gol.

Operação

A operação foi batizada como “GPS” por conta do rastreamento dos caminhões. Os ladrões só concluíam o roubo após localizarem o aparelho dentro dos veículos e se livrarem dele. “Eles sabiam que seriam rastreados. Por isso, era a primeira iniciativa quando abordavam as vítimas”, explica Ehndo.

Leia mais: Polícia desarticula quadrilha especializada em roubo de caminhões

Esquema

A quadrilha, composta por quatro pessoas, abordava os veículos na BR-040, entre os município de Valparaíso de Goiás e Luziânia. Em seguida, eles encaminhavam os carros para o Distrito Federal, onde eram entregues aos receptadores Silvone Moreira Rodrigues da Silva, 39 anos, e Rudson Rodrigues Pereira, 21. Além de levar os automóveis, na maioria das vezes os acusados subtraíam os pertences dos motoristas.

Ainda segundo a polícia, Silvone é dono de um ferro velho em Luziânia (GO), onde foram localizados alguns carros desmanchados. O objetivo da equipe era roubar o veículo, sempre durante a madrugada, e revendê-los. “Quando havia carga, eles também procuravam receptadores para vendê-las”, afirma o delegado.

Papéis de cada envolvido

Cada um dos integrantes tinha uma função no momento do crime. Denis Eduardo da Silva Ferreira, 25 anos, dirigia os veículos roubados, devido à habilidade dele para a condução. Ele agia em parceria com Diogo Batista dos Santos, 25, quando abordavam as vítimas. Seu papel principal era entregar o caminhão aos receptadores do DF.

Carlos Gabriel Mendonça ficava responsável pelo apoio aos comparsas em outro carro, com o objetivo de passar as orientações ao condutor do veículo roubado e escoltá-lo. “Ele avisava se houvesse blitz, por exemplo”, detalha.

A participação de Weverton Nepomuceno de Santana, 25, conhecido como “Sorriso”, era intermediar a negociação da carga roubada com receptadores do DF. “Os caminhões e caminhonetes só eram roubados se houvesse comprador”, diz Ehndo. Cada membro desta organização criminosa recebia cerca de R$ 9 mil por carro e carga roubada.

Todos os envolvidos responderão pelos crimes de associação criminosa armada e roubo circunstanciado. Caso sejam condenados, poderão pegar até 15 anos de prisão.

 


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

    Charge
Publicidade