Siga o Jornal de Brasília

Cidades

UnB oferece diretoria de atenção à saúde mental de universitários

Na última sexta-feira, universidade foi palco de mais um trágico suicídio

Publicado

em

Publicidade

Lucas Neiva
redacao@grupojbr.com

A Universidade de Brasília (UnB) passou por uma manhã de choque na última sexta-feira (20), com o suicídio de um estudante do curso de Letras de 21 anos no Campus Universitário Darcy Ribeiro. A reitoria da universidade se manifestou a respeito no mesmo dia, declarando luto oficial de sábado até o dia de hoje.

A questão do suicídio é tema recorrente no mês de setembro, quando ocorre o Setembro Amarelo: campanha internacional de conscientização e prevenção ao suicídio organizada pela ONG Centro de Valorização da Vida (CVV).

A própria ONG revela que um brasileiro tira a própria vida a cada 45 minutos: dado que, apesar de representar melhora em relação ao ano anterior (em que o tempo médio entre suicídios era de 40 minutos), ainda representa uma estatística preocupante.

Publicidade

Procurado anteriormente pelo Jornal de Brasília, o psicólogo clínico, doutor em psicologia e professor universitário Carlos Augusto de Medeiros pontua dois erros comumente praticados na tentativa de se combater o suicídio e que são de grande importância no trabalho de prevenção: a crença de que o suicídio é fruto apenas da depressão, e a procura por ajuda não-especializada.

Carlos Augusto explica que, apesar da depressão ser a doençageralmente mais associada ao suicídio, ela não é a única causa. Quadros intensos de ansiedade, problemas sociais ou de perspectiva de vida e diversos tipos de transtornos comportamentais podem levar uma pessoa a tirar a própria vida. E o trabalho de prevenção e apoio à pessoa com risco de suicídio deve ser feito por uma rede de apoio especializada: psicólogos, psiquiatras, médicos e demais profissionais indicados por estes.

É comum que pessoas sem qualificação ofereçam ajuda, acreditando ter capacidade de cumprir esse papel, mas, no fim, acabam correndo o risco de agravar a situação.

De acordo com a assessoria de comunicação da UnB, foi fundada neste ano uma Diretoria de Atenção à Saúde da Comunidade Universitária, criada com o intuito de dar atenção à saúde mental principalmente dos jovens universitários.

A diretoria possui ações em curso para ajudar na prevenção ao suicídio, como as rodas de terapia comunitária realizadas no Instituto Central de Ciências (ICC).

Outro órgão de grande importância na prevenção ao suicídio é o próprio CVV, que fornece ajuda especializada e gratuita por telefone 24h por dia para impedir o suicídio provocado por fortes crises de ansiedade. Basta ligar para o número 188, e o atendimento será realizado por um voluntário treinado para conversar de forma a reduzir a resposta emocional e assim reduzir o risco de suicídio.

O Jornal de Brasília fez uma reportagem com mais detalhes sobre prevenção ao suicídio. 


Você pode gostar
Publicidade