Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Sustentabilidade: Polícia Civil do DF recicla 251 toneladas de sucata

Tácio Lorran
[email protected]

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) está retirando 251 toneladas de sucatas que estão no pátio e depósito da Comissão Permanente de Alienação (CPA) da corporação, no Cruzeiro Velho. Na manhã desta terça-feira (26), a empresa vencedora do leilão de material ferroso para fins de reciclagem iniciou a prensagem do material.

Batizado de Higeia, o projeto visa, antes de tudo, a preservação ambiental, em razão da destinação ecologicamente correta da sucata, como explica o presidente da CPA, Cristian de Souza. “É uma questão de gestão ambiental, que é um dos valores maiores hoje no Distrito Federal”, pontua.

Outro foco ambiental do projeto é que a retirada do material ferroso tem um impacto higiênico-sanitário no pátio da CPA. “O que se busca é dar uma resposta à sociedade, para que essa sucata não se acumule e prejudique os pátios”, explica o presidente.

O acúmulo do material favorece a proliferação de insetos, animais e doenças, causando riscos à saúde humana, além de aumentar o perigo de incêndio, diante do quantitativo de bens inflamáveis expostos nos pátios externos e depósitos.

Números

O leilão do projeto Higeia aconteceu em dezembro do ano passado e foram vendidas cerca de 500 sucatas ferrosas de automóveis e motocicletas, 350 de bicicletas e 230 de agregados veiculares, totalizando 1080 bens. Dessas, 242 sucatas foram resgatadas em parceria com o Corpo de Bombeiros do DF (CBMDF), desde 2014.

O material é resultado de investigação policial em que não se identificou a propriedade do bem, para assim proceder com a restituição. Nesse caso, é feito a prensagem e é aberto um leilão público para alienação desse material ferroso.

Cristian de Souza, presidente da CPA. Foto: Tácio Lorran/ Jornal de Brasília

Segundo o presidente da CPA, a maioria é produto de adulteração. Ou seja, são veículos clonados, que são apreendidos durante operações. “Quando é clone, o autor do crime adultera e não tem como a gente identificar de quem é o veículo. O que não se identifica, não pode ficar eternamente no pátio da polícia”, afirma Cristian de Souza.

As 251 toneladas foram vendidas ao valor de R$ 0,57 por quilo, gerando um total líquido de R$ 143.098,50. Na primeira edição do leilão, ocorrida no segundo semestre de 2014, foram alienados 143 toneladas de sucatas, arrecadando R$ 36.860,85 para a Polícia Civil.

Cristian diz que o dinheiro arrecadado será investido em um fundo de reequipamento da Polícia Civil. “Esse dinheiro arrecadado vai ser revertido em equipamentos que serão utilizados na segurança pública do Distrito Federal”, afirma o presidente.

Processo

Foto: Tácio Lorran/ Jornal de Brasília

Conforme o edital, a equipe vencedora da licitação será responsável por cinco etapas, sendo as três primeiras realizadas no pátio da CPA da PCDF. Consecutivamente, é realizado a descontaminação, com vista a evitar o risco de contaminação do solo, a descaracterização e a compactação do material.

A trituração e a reciclagem será realizada no Rio de Janeiro, na empresa recicladora siderúrgica. A PCDF destaca que os procedimentos são de exclusiva responsabilidade do arrematante vencedor. Atualmente, o ciclo operacional dura aproximadamente quatro anos. A PCDF estuda reduzir para dois anos.

Projeto

O Projeto Higeia, da PCDF, surgiu em 2013 e visa a destinação adequada dos bens existentes nos pátios e depósitos das unidades policiais.

Foto: Tácio Lorran/ Jornal de Brasília

Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA