fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Papai Noel apenas virtualmente

Shoppings planejam promover encontros on-line entre o “bom velhinho” e famílias da cidade

Vítor Mendonça

Publicado

em

PUBLICIDADE

A presença do “bom velhinho” no Distrito Federal este ano deve ser diferente devido à pandemia do novo coronavírus. Os famosos abraços e fotos com o Papai Noel precisaram se encaixar aos novos moldes de interação social, com menos contato físico, a fim de não proliferar a doença com maior facilidade. Nesse sentido, o Jornal de Brasília conversou, por videoconferência, com o personagem e buscou shoppings para entender melhor quais serão os cuidados tomados neste Natal.

De sua casa, em Campinas, o ator Orlando Brandão, 59 anos, aparece em frente às câmeras com o cenário de uma sala com lareira acesa, uma vez que na casa do Papai Noel, no Polo Norte, o frio é constante. Será ele a interpretar o “bom velhinho” durante o período de 21 de novembro a 24 de dezembro em videochamadas para o Conjunto Nacional, um dos shoppings tradicionais de Brasília, localizado no centro da cidade. As ligações terão duração de cinco minutos em uma cabine com televisão e devem ser agendadas pelo aplicativo do estabelecimento.

“Não podemos deixar a peteca cair. [Por mais que estejamos distantes] os pais têm que estar motivados também, não só as crianças. É diferente, mas é legal. Vai ser gostoso. Estarei por aqui com uma câmera e haverá outra no shopping para que eu possa ter o feedback dos pequenos e das famílias. Vai ser bem tranquilo de interagir. É claro que é gostoso com o contato – as crianças sentem essa falta e eu também”, afirmou o ator.

O maior desafio durante a pandemia, segundo Orlando, é mais pessoal que profissional – pelas preocupações com a saúde dos entes dentro de casa. O homem de barba branca já havia feito outras peças publicitárias por vídeo de dentro de casa e o personagem do Papai Noel começou a ser trabalhado há pelo menos seis meses, o que o deixou mais experiente com as tecnologias a serem utilizadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Já sabíamos [Orlando e a esposa] que a vacina não aconteceria muito rápido, então, a partir do momento em que tive a certeza de o encontro não seria presencial no final do ano, já comecei a trabalhar com a questão dos vídeos. E isso já foi fluindo muito. Conversando com o pessoal da agência [de Papai Noel] e com os shoppings, foram de encontro as ideias e o período de fechamento de contrato basicamente se repetiu esse ano, não tivemos um receio de ficar sem o trabalho”, explicou.

Os outros trabalhos que fazia presencialmente de entrega de presente nas casas também foi adaptado. Agora, com a ajuda dos elfos Legolas e Tales – filhos de Orlando, de 14 e 17 anos -, o Papai Noel fará a “live do Trenó”, em que, com a montagem de um trenó sobrevoando a cidade, fará contato com as famílias na noite de Natal por 15 minutos. Ele também fará vídeos – personalizados ou não – para famílias interessadas.

Para o Papai Noel contactado pela videochamada, o Natal este ano será “diferente, mas divertido”. Como um dos representantes da esperança neste fim de ano, o presente que o “bom velhinho” daria a humanidade seria o bom senso, segundo o personagem. “A felicidade, esperança e amor todos têm dentro de si. Com o bom senso, a gente utiliza essas ferramentas no momento certo”, destacou.

“Vai ser um momento novo, mas não normal, e temos que nos aproveitar disso. Esse Natal vai ser mais simples e teremos de ter redobrados o amor, as emoções, a união das famílias e eu sempre falo que o melhor presente não vem no melhor embrulho. A decoração será mais simples, mas teremos que ter muito mais energia, muito mais amor e carinho”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não poderei estar presente, mas o que mais quero ver quando tiver olhando as crianças nas casas com as famílias é que estejam se abraçando e se amando muito. O amor, abraços e carinho são o que movem a fábrica do Papai Noel.”

Nostalgia no Brasília Shopping

Em 8 de janeiro deste ano, o tradicional Papai Noel do Brasília Shopping, Fernando Xavier, de 65 anos, faleceu em razão de um mal súbito. Durante 19 anos, o senhor de barba branca saía de Alexânia para dar alegria a famílias e gerações que visitavam o estabelecimento comercial. Aposentado pela Marinha do Brasil, a trajetória como “bom velhinho” começou quando os rendimentos eram escassos e um salário extra era bem-vindo para ajudar a pagar as contas de casa.

Em entrevista ao JBr no ano passado, os olhos azuis de Seu Fernando, como era chamado, que já vislumbraram tantas indas e vindas de crianças, pais e avós, ainda se enchiam de lágrimas ao lembrar das pessoas que transitavam todos os dias com um grande sorriso diante do Papai Noel. Ele afirmou que todas as histórias reunidas em sua memória tinham uma pequena parcela de melancolia.

“Fico triste porque as pessoas vêm, mas nunca ficam; é muito bom ter a companhia delas. Aí quando elas vão embora, sinto falta. Lembro de muita gente que vem aqui todos os anos, trazem os filhos, netos, às vezes vem a família inteira”, disse à época da entrevista. Neste Natal, é seu Fernando quem faz falta e permanece na memória de tantas pessoas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neste ano, o Brasília Shopping não contará com a presença de nenhum substituto. Fernando deixou esposa, três filhos e seis netos.

Saiba Mais

No JK Shopping, localizado entre Taguatinga e Ceilândia, a estrutura pensada para o Natal deverá ser similar à do Conjunto Nacional, com programação em videoconferências com o “bom velhinho”.

Em Anápolis, onde Matias mora, a equipe do shopping fará as ornamentações natalinas na casa para padronizar a chamada de vídeo. “Para efeitos de imaginação, é o Papai Noel no Polo Norte”, comentou Monaliza. O tempo estipulado será de 5 minutos e haverá a higienização da cabine a cada criança que entrar para conversar com o senhor. “Se ela tiver cartinha, vai entregar para a ‘Noelete’ e, quando sair, vai receber um pirulito.” O espaço funcionará de 12h às 20h.

Por outro lado, o DF Plaza Shopping, em Águas Claras, deve apostar na interação frente a frente com o Papai Noel, com separação por placas de acrílico. “A gente entende que não existe Natal sem Papai Noel, então a nossa ideia é que haja a chance de ter o “bom velhinho” presencialmente, com os cuidados de segurança”, contou Diogo Pipas, diretor de marketing do local.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade