fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Material escolar vai pesar no bolso

De acordo com o Sindipel, itens como cadernos, lápis, borracha e livros tiveram aumento de 9%

Vítor Mendonça

Publicado

em

PUBLICIDADE

Materiais escolares devem aumentar em cerca de 9% neste ano para a volta às aulas após a crise gerada pelo novo coronavírus, de acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Material de Escritório, Papelaria e Livraria do Distrito Federal (Sindipel-DF). Segundo o presidente da entidade, José Aparecido, o aumento se deve à falta de matéria-prima no mercado interno e ao aumento da cotação do dólar. “Muitos produtos são importados, então são pagos na data da compra e tiveram um realinhamento de preço”, disse.

O desafio neste período de vendas 2020/2021 é que os resultados sejam os mesmos ou, no melhor cenário, um pequeno crescimento no faturamento em relação ao período de 2019/2020. Tudo depende, porém, do retorno presencial ou não das aulas. “Temos a esperança também de que as aulas voltem a ser feitas presencialmente. Com as aulas on-line, o movimento diminui bastante, então esperamos que haja um reaquecimento do setor”, afirmou José.

Na papelaria ABC, localizada no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), o movimento das vendas caiu cerca de 50% em comparação ao mesmo período do ano passado. “Ou caiu até mais”, segundo o gerente João Moura, justamente pela dúvida quanto à volta às aulas. Conforme explicou, janeiro e fevereiro costumavam ser os melhores meses de vendas, com crescimento em torno de 10% a 20%. Mas este ano a expectativa é baixa.

“Mesmo havendo aulas presenciais, acredito que o movimento não será como o do ano passado. Pode ser que melhore com um cronograma definido, mas não será o mesmo. […] Muitos pais que compraram material no ano passado não usaram durante o ano. A demanda e a compra estão bem baixas”, ponderou o gerente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que também atrapalha, segundo o gerente, são os preços de revenda, que precisam ser readequados e desanimam o comprador. A aposta está no estoque do ano passado. “O que está chegando de produto novo vem com um aumento, mas não aumentamos o preço do que temos do ano passado – mantivemos os mesmos valores. O que vem dos fornecedores cresceu de 20% a 30%, a ponto de um cliente de cadernos preferir comprar comigo para revender em Ceilândia do que comprar nos atacados, onde o preço estava mais caro”, disse.

A recomendação do Sindipel é que as compras não sejam feitas de última hora, uma vez que muitos produtos do período de volta às aulas do ano anterior podem ser encontrados pelos mesmos preços. “Não deixando para última hora também não há o risco de aglomerações dentro das lojas”, também ressaltou o presidente da entidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Helena Carneiro Albuquerque, 38 anos, mãe de Oto e Caio, de 13 e 8, foi à ABC para adiantar as compras de materiais escolares dos filhos. O reflexo dos empecilhos do setor de papelarias não foi reparado pela funcionária pública, que aproveitou os preços taxados ainda do ano passado. “Notei que os livros se tornaram mais caros, mas os materiais de canetas, borracha, cadernos estão no mesmo preço que costumo comprar”, afirmou.

Como grande parcela de alunos do DF, Oto e Caio passaram pela experiência do ensino remoto no ano passado, mas, assim que as aulas presenciais voltaram a ser possíveis na escola em que estudam, retornaram. “No ensino remoto eles quase não usaram os materiais [cadernos e canetas], mas mesmo no presencial o uso tem sido menor”, disse a mãe, que prefere levar os filhos à escola.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Subsídio anima mercado

O Governo do DF (GDF) pretende injetar orçamento de R$ 31 milhões em 2021 para conceder a famílias carentes com filhos matriculados na rede pública de ensino um auxílio para comprar o material escolar das crianças. A iniciativa faz parte do programa Cartão Material Escolar deste ano, que abrirá prazo de inscrição para papelarias que quiserem vender por meio do programa a partir do próximo dia 27.

De acordo com o GDF, foram 424 estabelecimentos comerciais habilitados para participar do programa em 2020. O Cartão atendeu 106 mil alunos e gerou circulação de mais de R$ 28 milhões na economia local. Neste ano, a expectativa da Secretaria de Estado do Empreendedorismo do GDF é credenciar entre 450 e 500 papelarias e beneficiar mais estudantes. Em 2020, cada empresa inscrita no Cartão Material Escolar vendeu, em média, R$ 71,8 mil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

Saiba Mais

A cobrança de taxa extra ou de fornecimento de material de uso coletivo dos alunos ou da instituição não é permitida, sendo cada item de uso exclusivo do aluno.

São de uso coletivo itens de higiene pessoal, álcool, apagador, grampeador, giz, pincéis para quadro, copos descartáveis, dentre outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A lista de material deve ser acompanhada de um plano de execução, que deve descrever, de forma detalhada, os quantitativos de cada item de material e a sua utilização pedagógica.

É permitido aos pais o fornecimento parcelado do material. Nesta pandemia, a possibilidade pode ser mais econômica para os pais.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade