fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Isolados, em busca da sobrevivência

Comunidades quilombolas se
unem para cobrar providências do governo. O Jornal de Brasília foi a Cavalcante e viu de perto a luta dos moradores contra a covid-19.

Olavo David Neto

Publicado

em

PUBLICIDADE

Sem opções, quilombo tenta se isolar do mundo

Preocupados com a covid-19, comunidades quilombolas se uniram para cobrar do Governo Federal medidas efetivas de combate ao vírus

“Graças a Deus estamos isolados, saindo apenas para comprar alguma coisa em Cavalcante. Meu filho pegou o vírus, ficou 24h entubado; só se salvou em Brasília mesmo”.

Calisto de Souza Santos , lavrador

“Tem um respirador em Cavalcante [Goiás], e a gente acha que eles nem sabem usar”, comenta Calisto de Souza Santos, lavrador de 51 anos e morador da comunidade quilombola Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros. Assim, a opção é ser cauteloso ao extremo, a ponto de impedir novas entradas na localidade.

“Meu filho mesmo pegou o vírus, ficou 24h entubado; só se salvou em Brasília mesmo”, aponta o quilombola, indicando que a capital da República, a quase quatro horas de distância, é a única esperança em caso de contaminação pela covid-19.

Até de 30 de setembro, eram 4.598 contágios confirmados entre a população quilombola no Brasil, com 166 óbitos e outros 1.219 em análise.

O levantamento é feito pela Coordenação Nacional da Articulação Quilombola (Conaq), por meio do portal quilombosemcovid19.org.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil.

São atribuídas às secções estaduais vinculadas à Conaq a coleta e análise dos dados, que são repassadas ao âmbito nacional. Casos como os do filho do lavrador Calisto, entretanto, não são registrados como infecções de quilombolas pelas Secretarias de Saúde municipais e estaduais, o que impede a identificação e o mapeamento dos casos.

Para conter os danos ao grupo étnico e social, uma união entre partidos políticos, movimentos sociais e entidades de representação quilombola protocolaram uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) em desfavor do Governo Federal. A medida, entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 9 de setembro, aponta “omissão” por parte da União para com o povo quilombola, sobretudo no enfrentamento à covid-19. Outro fator agravante, durante o período de pandemia, é a escassez de comida e água.

No Vão de Almas, por exemplo, a sustentação da alimentação dos moradores é a agricultura e o recebimento de doações de cestas básicas. Do Estado ou de particulares, as entregas são intermitentes, fator que gera insegurança alimentar. “Nós sempre recebemos cestas aqui, mas ultimamente parou. O governo parou. Sabe como é político, né? Só faz e não pergunta para quem é afetado”, alfineta Calisto. E este é o ponto principal da ADPF. Conforme o texto, é pedida uma liminar contra “atos comissivos e omissivos” do Poder Executivo Federal no combate à pandemia nas comunidades quilombolas.

São solicitadas ainda audiências com o advogado-Geral da União, José Levi Mello do Amaral Júnior, e o procurador-Geral da República, Augusto Aras a respeito das medidas adotadas ou não pelo Palácio do Planalto para conter contaminações nos quilombos. Além dos questionamentos, é apresentado o Plano de Combate à covid-19 nos quilombos, que, dentre outras ações, prevê a distribuição em massa de Equipamentos Individuais de Proteção (EPIs), água potável e materiais de higiene e desinfecção. É pedida também a garantia da soberania alimentar das populações, acesso regular a leitos e testagem, bem como controle da entrada de pessoas nos quilombos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Signatária da ação, a advogada Maira Moreira, da organização civil Terra de Direitos, foi responsável pela parte da ADPF que trata da destinação de recursos públicos ao grupo étnico. Neste trecho é destacado que, já neste ano de 2020, “foram autorizados R$ 3,2 milhões da Ação Orçamentária da Ação Orçamentária para Reconhecimento e Indenização de Territórios Quilombolas, a ser executada pelo Incra, mas nenhum recurso foi pago até o momento”. Ao Jornal de Brasília, Moreira comentou os efeitos dessa fuga de investimentos do próprio Estado. “Essa redução afeta todos os procedimentos de demarcação das terras, o que leva a uma insegurança territorial”, aponta.

De acordo com ela, apenas 5% das cerca de seis mil comunidades são tituladas — ou seja, reconhecidas pela Administração Pública. Conforme argumenta, Maira explicita que isso reduz também as possibilidades de gerir “políticas públicas voltadas aos quilombolas, que garantam acesso à Saúde, Educação, produção de alimentos”. De acordo com um estudo de 2017 do então Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, havia 75% da população quilombola vivendo em extrema pobreza.

Calisto comemora ao menos a reclusão do Vão de Almas. “Graças a deus estamos isolados, saindo apenas para comprar alguma coisa em Cavalcante”, comenta o quilombola.
O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos informou à reportagem que atua “diretamente no atendimento das comunidades quilombolas” através da Secretaria Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

A pasta ainda reforçou que conseguiu, junto ao Ministério da Economia, verba para aquisição de 343.412 cestas de alimentos, contemplando “cerca de 171.283 famílias de comunidades tradicionais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade