fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Duas pessoas são detidas em manifestação em frente a Embaixada da Venezuela

Cerca de 100 manifestantes pró-Maduro se reúnem do lado de fora após sede ser invadida na madrugada desta quarta (13). Bolsonaro se reuniu com chanceler

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília
PUBLICIDADE

Vítor Mendonça e Willian Matos
redacao@grupojbr.com

Após a Embaixada da Venezuela ter sido invadida na madrugada desta quarta-feira (13), o tumulto no local continua. Do lado de fora, cerca de 100 pessoas protestam contra a invasão.

Por volta de 11h30, duas pessoas foram detidas pela Polícia Militar (PMDF). Uma é apoiadora de Juan Guaidó, outra de Nicolás Maduro, políticos venezuelanos que protagonizam briga pela presidência do país. A apreensão ocorreu após alguns manifestantes pró-Maduro tentarem expulsar pessoas contrárias a eles, dando início a uma troca de tapas.

Os manifestantes entoam gritos de “Fascistas não passarão”, “Maduro não está só” e “Juan Guaidó miliciano, Bolsonaro miliciano”. Por volta de 11h15, eles fizeram um cordão humano em frente ao portão da embaixada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No momento em que os invasores adentraram a embaixada, na madrugada desta terça (13), eles tomaram conta de uma parte onde estavam alojadas várias pessoas — dentre elas crianças e mulheres. Segundo informações, os suspeitos agiram com violência, utilizando de socos, empurrões e truculência.

Manifestantes reclamam de violência empregada pelos invasores. Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília

Um representante do Itamaraty, Maurício Correa, que está no local, considerou que o território pode, sim, ser adentrado pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). Havia a dúvida quanto a permissão, uma vez que o local, teoricamente, é território internacional. O batalhão Rio Branco, unidade da corporação destinada a proteger representações diplomáticas, atua na operação.

Presidente debate

Após amanhecerem com a notícia da invasão, o ministro das Relações Exteriores (Itamaraty), Ernesto Araújo e o presidente Jair Bolsonaro se reuniram para tratar da ocupação. A prioridade da pasta é assegurar a integridade física das pessoas que estão dentro da embaixada.

Políticos e movimentos sociais

Partidos políticos, movimentos sociais e estudantis compareceram à embaixada. Representantes do Partido dos Trabalhadores (PT), da União da Juventude Comunista (UJC) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) se juntaram aos manifestantes e, juntos, repudiam a invasão ocorrida nesta manhã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) também se juntou às mais de 100 pessoas. “Nós temos, no Palácio do Planalto, um bando de milicianos que acham que podem calar aqueles que divergem”, declarou a parlamentar. “Este [o território da embaixada] é território da Venezuela, de um povo que segurou no muque a tentativa de ser deturpada o povo e a democracia do Poder. Por isso nós estamos aqui para criar um cordão democrático e dizer que, se este governo fosse sério, não teria se permitido que nós tivéssemos a invasão da embaixada venezuelana aqui no Brasil.”

Outro parlamentar que esteve presente foi o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS). Revoltado com a postura das autoridades brasileiras, ele criticou o fato de o governo federal não tomar providências contra os invasores. “Por volta de 8h, chegou aqui o representante do Itamaraty. A postura deste indivíduo não ajuda em nada, pelo contrário, ele faz questão de repetir que o governo Bolsonaro […] só responde a Guaidó ou à autoproclamada embaixadora, e que, portanto, não determinará nenhuma ação por parte das autoridades para resolver a invasão”, lamentou Pimenta.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade