Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Começa hoje julgamento do Caso Villela

Defesa de Adriana declara que provas da Promotoria são frágeis

Publicado

em

Advertisements

“Acusação está baseada em provas frágeis”, aposta defesa

Dez anos após ser acusada de matar os pais e a empregada, Adriana Villela vai a júri popular

Lindauro Gomes,
lindauro.gomes@grupojbr.com

Começa hoje o julgamento de Adriana Villela, acusada de ser a mandante das mortes dos pais José Guilherme Villela e Maria Carvalho Mendes Villela e da empregada Francisca Nascimento da Silva, ocorridas no dia 28 de agosto 2009, na 113 Sul.

Após dez anos de idas e vindas nas investigações, a peça acusatória produzida pelo promotor Maurício Miranda contra a ré se fundamenta basicamente em duas evidências que, segundo ele, colocam Adriana na cena do crime. Para a defesa, entretanto, as provas são frágeis e serão enfrentadas no júri.

A primeira é um laudo de datação de digitais produzido por papiloscopistas da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), quase um ano após o crime. O documento foi considerado inválido pelo Instituto de Criminalística (IC) da própria instituição que analisou os métodos utilizados para a produção da prova.

Segundo os peritos, a metodologia não tem base científica e os papiloscopistas não podem produzir esses estudos. “Portanto, os peritos concluem que, com base em tudo que foi analisado, o trabalho realizado pelo instituto de identificação não possui sustentação técnico-científica suficiente para tecer conclusões a respeito da idade do fragmento de impressão papiloscópica questionado”, afirma o documento assinado por quatro peritos do IC.

O documento também foi alvo de duras críticas da subprocuradora Geral da República, Cláudia Sampaio Marques. “A invalidade formal e material do laudo pericial inviabilizava a sua utilização como indício para a pronúncia da paciente.”, diz o parecer.

Retrato falado

Outra evidência levantada pelo promotor também é ponto de questionamento por parte da defesa. Trata-se de um retrato-falado produzido com o auxílio de uma testemunha que afirmou ter visto uma mulher no apartamento dos Villela, no dia dos assassinatos.

Na semana passada, a defesa protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) uma ação com pedido de liminar para que o laudo de datação de digitais fosse excluído do processo. O ministro Luís Roberto Barroso atendeu parcialmente o pleito dos advogados ao determinar que caberá ao juiz do Tribunal do Júri explicar aos jurados como foi feito o material e suas contestações para que eles tenham condições de decidir sobre a validade da prova.

Em novo recurso da defesa, a apreciação do pedido da defesa ficou a cargo do ministro Gilmar Mendes, que manteve a decisão de Barroso. Para o advogado de Adriana, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, a decisão dos ministros aumentou a responsabilidade dos advogados.

A defesa tem como entendimento que as decisões técnicas deveriam ser tomadas pelo juiz togado, o juiz de Direito. Mas se o Supremo Tribunal Federal entendeu que essa decisão deve ser feita pelo júri, em nada prejudica a atuação da defesa da acusada”, afirmou em nota.

“Respeitamos o Tribunal do Júri em sua plenitude. Faremos o enfrentamento da mesma forma, com a mesma responsabilidade e iremos provar a inocência dela”, encerrou.

Procurado pela reportagem, o promotor Maurício Miranda, que atua no caso, não respondeu às perguntas até o fechamento desta edição.

Relembre o caso

Segundo a denúncia do MPDFT, Adriana Villela teria contratado Leonardo Campos Alves, ex-porteiro do prédio do casal Villela, para cometer os crimes. Ele receberia dinheiro e joias como pagamento. Leonardo combinou a execução com Paulo Cardoso Santana, seu sobrinho, e Francisco Mairlon Barros Aguiar, que também seriam recompensados.

Em 28 de agosto de 2009, Leonardo levou Paulo e Francisco até a SQS 113, onde os Villela viviam, e esperou pelos comparsas nas proximidades. Os dois entraram no prédio com as indicações fornecidas por Leonardo e Adriana. Dentro do apartamento, eles atacaram as três vítimas com golpes de faca. Para simular um crime de latrocínio, eles levaram joias no valor de R$ 10 mil e US$ 70 mil em espécie.

Para a Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri, trata-se de homicídios triplamente qualificados e não latrocínio, crime em que inexiste a figura de um mandante. Os assassinatos de José Guilherme e de Maria foram cometidos por motivo torpe: a filha queria se vingar dos pais pelos frequentes desentendimentos financeiros. Ela dependia economicamente deles e recebia mesada, mas considerava o valor baixo. O homicídio de Francisca ocorreu para garantir a impunidade pelos crimes, pois ela poderia identificar os autores.

Os réus também usaram recurso que dificultou a defesa das vítimas, pois os três foram surpreendidos em casa, quando não tinham razões para acreditar que seriam atacados. Além disso, o meio empregado foi cruel: juntas, as vítimas receberam 73 facadas, a maioria quando já estavam caídas.


Você pode gostar
Publicidade