Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Brasília: a capital de todos brasileiros comemora 59 primaveras

Publicado

em

Publicidade

Cidade planejada, foi inaugurada em 21 de abril de 1960, após três anos e meio de construção por Juscelino Kubitschek, o então presidente da república. A inauguração da tão sonhada e esperada cidade teve uma festa que durou quase dois dias!

Os livros de história contam que a fundação de Brasília teria sido até mesmo profetizada por um santo, em 1883. Dom Bosco, santo italiano fundador da Congregação dos Salesianos, teria sonhado que fazia uma viagem à América do Sul e viu um local especial ao chegar à região entre os paralelos 15° e 20°, onde, nas palavras de um anjo que o acompanhava em sua visão, apareceria “a terra prometida” e que seria “uma riqueza inconcebível”. A visão acabou sendo interpretada como uma premonição do local em que deveria ser construída a nova capital do Brasil.

No Plano Piloto, idealizado pelo urbanista Lúcio Costa, de quadras, blocos, setores, ruas largas e bem divididas, é onde se encontram os mais bonitos e atrativos monumentos de Oscar Niemeyer. Brasília é, portanto, um museu a céu aberto.

Patrimônio cultural

Ponte JK. Foto: Rodrigo Rocha

Uma mistura do céu azul, o mar de Brasília, com o Lago Paranoá e as construções monumentais e modernas deram à cidade o reconhecimento pela Unesco como primeiro bem moderno de patrimônio mundial, em 1987. Trinta anos depois, Brasília foi incluída pela Unesco na Rede de Cidades Criativas, com o título de Cidade do Design.

A cidade de “céu azul e nuvens doidas”, como diria Natiruts, nasceu do simples cruzamento entre estradas de terra, no meio do vasto cerrado do centro do país. Há quem acredite que a forma da cidade é de uma borboleta, mas o formato mais aceito é um avião. A cidade, dividida em centro, asas, cabine e cauda, abriga brasilienses de coração e de nascença.

Publicidade

O corpo do avião, também conhecido como Eixo Monumental, abriga, em 13 km de extensão, a administração pública da cidade. Nas Asas Sul e Norte, que têm 16 km ao todo, estão as superquadras residenciais e comerciais. A região pode ser percorrida a pé, de ônibus ou de camelo.

Pontos de referência

Entre os eixos encontram-se a rodoviária e a estação central do metrô, pontos de encontro entre os moradores e aqueles que trabalham na cidade, seja na pastelaria Viçosa ou nas enormes filas no início da manhã e final da tarde, na transição entre Plano Piloto e cidades satélites.


Catedral Metropolitana de Brasília. Foto: Cedoc

Na cabine do avião, a leste do Eixo Monumental, ficam a Catedral Metropolitana de Brasília e a Esplanada dos Ministérios, além de pontos como os palácios do Itamaraty e da Justiça, responsáveis por abrigar os ministérios das Relações Exteriores e da Justiça e Segurança Pública.


Praça dos Três Poderes. Foto: Ricardo Stuckert

A Praça dos Três Poderes ainda na cabine do avião, também abriga seus belos palácios: o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Planalto. Lá também estão o Museu da História de Brasília, o Espaço Lúcio Costa, o Panteão da Pátria e o Pavilhão Nacional. Próximo da Praça dos Três Poderes, ficam os palácios da Alvorada e do Jaburu, residências oficiais do presidente e do vice-presidente da República.

Do alto da Torre de TV, bem no coração da cidade, o Plano Piloto pode ser visto de maneira panorâmica. A Torre, com fonte luminosa e show de águas, feira de artesanato e comidas regionais, Teatro Funarte, Clube do Choro, Planetário, Centro de Convenções Ulysses Guimarães e o tão conhecido Estádio Nacional Mané Garrincha estão na cauda no avião.

Os memoriais que contam a história da cidade, daqueles que viviam aqui antes de nós da cidade são em homenagem a Juscelino Kubitschek e aos Povos Indígenas.

Vista aérea de Brasília. Foto: Rodrigo Rocha

Mais acima, percorrendo o Eixo Monumental, chegamos na Praça do Cruzeiro, próximo a Catedral Rainha da Paz e o Setor Militar Urbano, com o QG do Exército, além do Teatro Pedro Calmon, Concha Acústica e Praça dos Cristais. Dentro de todos esses prédios, é possível admirar obras de artistas renomados, como Athos Bulcão, Alfredo Volpi e Burle Marx.

Graças a JK


Juscelino Kubitschek . Foto: arquivo público

Em 59 anos de história, Brasília tornou-se cidade modelo, museu a céu aberto, de céu azul e gente simpática. Tudo começou com Juscelino Kubitschek, e cada candango, cada brasiliense nativo ou de coração são responsáveis por eternizar e preservar todas as histórias trazidas ou originadas na Capital Federal.

Festa na Esplanada

Câmara dos Deputados na Esplanada dos Ministérios. Foto: Lula Marques

Durante todo o domingo, a área do Complexo Cultural da República – entre o Museu Nacional da República e a Biblioteca Nacional de Brasília, na Esplanada dos Ministérios – será palco por atividades artísticas, esportivas e gastronômicas. As atrações começam às 10h e seguem até a meia-noite, reunindo, entre outros destaques, Dhi Ribeiro, Anitta, Scalene, Surf Sessions, Paraná, Aborto Elétrico, Dona Cislene e os sertanejos do Projeto Identidade.

A grande celebração será no Palco Brasília, que receberá durante todo o dia nomes da cena local. Ritmos como samba, rock, pop e sertanejo darão o tom. “A diversidade e cultura plural estão refletidas nesta programação”, resume o secretário de Cultura. “A celebração do aniversário da cidade é o reconhecimento de toda a sua trajetória”.

Brasília 59 anos
21 de abril, a partir das 10h, na Esplanada dos Ministérios – próximo à rodoviária do Plano Piloto.

Principais atrações
Palco Brasília
Aborto Elétrico
Sapekaí
Dhi Ribeiro
Luciano Ibiapina
Galo Cego
Paraná
O Bando
Capitão do Cerrado
Lupa
Dona Cislene

Palco Ipê Amarelo
Dani Firme
Surf Sessions convida PJ e Wilson Sideral
Projeto Identidade: Henrique e Ruan + Pedro Paulo e Matheus convidando Israel e Rodolfo
Anitta
Bloco Eduardo e Mônica – Convidados e participações: Digão e Canisso Raimundos / Legião – Bonfá / Marcela – Maskavoo / Scalene

Palco Gastronômico
Gustavo Trebien
Diego Azevedo
Allan Massay
Diboresti
Distintos Filhos
Magoo
Real Samba


Você pode gostar
Publicidade