fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Após vistoria no Lixão da Estrutural, MP cobra política ambiental para o descarte de lixo

Local deveria ter sido fechado por completo. Desde 2018, deixou de receber resíduos domésticos, mas permanece em funcionamento para rejeitos da construção civil e podas de árvores

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da Redação
redacao@grupojbr.com

Segundo o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) uma força-tarefa formada por representantes do MPDFT e do Trabalho (MPT), além da Defensoria Pública do DF, realizou, na manhã desta segunda-feira (30) vistoria no Lixão da Estrutural. Por dia, em média, 800 caminhões chegam ao local e descarregam cerca de 6 mil toneladas de entulho. O grupo visitou quatro áreas distintas e será elaborado relatório sobre impactos ambientais.

Do MPDFT, estiveram presentes José Eduardo Sabo, procurador distrital dos Direitos do Cidadão; Roberto Carlos Batista, promotor de Justiça de Defesa do Meio Ambiente; e Lenna Daher, promotora de Justiça de Defesa do Patrimônio Público; além de Paulo Neto, procurador do Trabalho. O grupo foi acompanhado por técnicos da Secretaria de Limpeza Urbana (SLU) e da Valor Ambiental, empresa responsável pela execução de serviços de operação e de manutenção do Lixão da Estrutural.

Eduardo Sabo cobrou do governo a apresentação de uma política ampla sobre a questão do lixo. “Até agora não recebemos do GDF algo concreto de como todos os órgãos envolvidos, como Adasa e SLU, vão trabalhar para resolver esta situação”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para Roberto Carlos Batista, o funcionamento é inadmissível. “Governantes vêm negligenciando os graves prejuízos ambientais do local. A obrigatoriedade de se fazer a recuperação da área é de 2009, mas até hoje nada foi feito. Inclusive não há estudo do passivo ambiental da região”, afirmou. O promotor destaca que além do risco de poluição no solo, o lixão abriga mais de 300 pontos de escape do metano e ainda há o problema da recirculação nas lagoas de chorume. “A sentença era para o completo fechamento do lixão. Vamos continuar cobrando no Judiciário o cumprimento e a aplicação da multa no valor de R$ 100 mil por mês, desde o final de 2018”, completou.

Vistoria

A primeira parada foi na área de reciclagem de resíduos da construção e demolição. O material é utilizado pela Novacap para futuras obras. O segundo ponto foi o local onde os caminhões fazem a descarga dos rejeitos, enquanto isso, outros veículos soltam jatos de água para amenizar a concentração de poeira do local.

Os últimos pontos visitados foram as áreas de recebimentos de podas de árvores, onde são trituradas; e a lagoa de chorume, líquido poluente originário da decomposição de resíduos orgânicos. Atualmente só uma, com quatro metros de profundidade, está em funcionamento, outra está em construção.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Força-tarefa

Uma força-tarefa coordenada pela Procuradoria Distrital dos Direitos do Cidadão (PDDC/MPDFT) foi instituída em 2015 e conta com a participação do MPC e do MPT. Os objetivos do grupo são o intercâmbio de informações, o alinhamento de ações e outras providências relacionadas à desativação do Lixão da Estrutural. Temas como a saúde, a segurança e a inclusão social dos catadores de resíduos também são acompanhados pelos Ministérios Públicos.

Com informações do MPDFT.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade