Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Saúde: redes pública e privada com 98% de lotação nas UTIs

Já na rede privada de saúde a situação é mais preocupante. Os dados do InfoSaúde mostram uma taxa ocupação de 98,42 nos leitos de UTI para adultos

Por Guilherme Gomes 18/03/2021 7h39
Foto: Breno Esaki/Agência Saúde

A taxa de ocupação dos leitos de UTI para adultos com Covid-19 no DF está em 98,08% na rede pública de saúde. Dos 409 leitos disponíveis, 373 estão ocupados e 24 aguardam liberação. De acordo com a última atualização do InfoSaúde-DF, feita às 06h10, 12 leitos estão vagos. Das vagas disponíveis, apenas 7 são para pacientes adultos.

Já na rede privada de saúde a situação é mais preocupante. Os dados do InfoSaúde mostram uma taxa ocupação de 98,42 nos leitos de UTI para adultos. Dos 383 leitos, 375 estão ocupados e 7 leitos estão vagas com 6 instalações para adultos. Até o momento da publicação desta reportagem, 317 pacientes estão na lista de espera por um leito de UTI.

Covid-19 no DF

O Distrito Federal (DF) registrou, nas últimas 24 horas, 1.322 novos diagnósticos de covid-19. Desde o início da pandemia, 322.686 pessoas já foram infectadas na capital e, até esta quarta (17), 16.246 casos estavam ativos.

As regiões com mais casos confirmados são Ceilândia (34.728), Plano Piloto (30.686) e Taguatinga (25.955). Nas últimas 24 horas foram registrados 30 óbitos.

Do total de 322.686 mil casos, 5206 (1,6%) faleceram em decorrência de complicações causadas pelo vírus e 301.234 (93,4%) estão recuperados. Do total de óbitos, 4.741 eram moradores do DF e 465 de outros estados.

Vacinação

O GDF anunciou nesta quarta-feira (17), os dados dos boletins informativos sobre a vacinação no Distrito Federal apresentavam o número de 172.444 vacinados da primeira dose e mais 67.419 pessoas que levaram a segunda dose. Nas últimas 24h foram 687 vacinados da primeira dose e 798 da segunda dose.

A vacinação contra a Covid-19 começou no Distrito Federal no dia 19 de janeiro. Já foram recebidas 287.360 doses da vacina CoronaVac, que é produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Além das 67 mil doses da vacina Covishield, desenvolvida pela universidade inglesa de Oxford, com a farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a Secretaria de Saúde, a segunda dose da vacina CoronaVac deve ser aplicada entre 14 e 28 dias após a primeira. A pasta lembrou que devido ao curto espaço de tempo, a metade das doses recebidas foram reservadas para a segunda aplicação.








Você pode gostar