Menu
Brasília

Projeto Golfinho oferece esporte e educação ambiental a mais de 350 jovens do DF

Iniciativa da Caesb atende alunos de baixa renda de Ceilândia, Sol Nascente, Paranoá e Itapoã

Redação Jornal de Brasília

01/06/2024 16h25

O estudante Miguel Lorenzo entrou no Projeto Golfinho no início de maio: “Aqui cada dia temos uma coisa diferente” | Fotos: Cristiano Carvalho/ Caesb

O Projeto Golfinho abriu as portas para abrigar mais crianças e adolescentes de famílias de baixa renda do Distrito Federal. Em maio, foram integrados ao projeto mais 102 “golfinhos”. Agora, são 357 meninos e meninas que encontram no projeto a oportunidade de participar de atividades esportivas, receber educação ambiental e mergulhar rumo a uma conquista fundamental a qualquer cidadão: o direito de viver com dignidade.

A iniciativa é coordenada pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). O objetivo principal é promover a cidadania entre jovens de baixa renda. “O projeto transmite princípios e valores que fortalecem essas crianças e adolescentes”, explica Luís Antônio Reis, presidente da Caesb. “Dessa forma, a companhia tem contribuído na promoção da cidadania, na conscientização social e na transformação coletiva”.

A ampliação do atendimento faz parte da programação da empresa para atender um maior número de crianças a cada ano, priorizando alunos da rede pública matriculados em escolas de Ceilândia, Paranoá e Itapoã. Dessa vez, por meio de parceria com a Secretaria de Educação do DF, foram acolhidos estudantes do Centro de Ensino Fundamental (CEF) Zilda Arns e do CEF 14, onde estudam crianças que moram no Paranoá e no Itapoã. Já participavam 255 “golfinhos” das escolas classe 47 e 50 de Ceilândia e das escolas classe 1 e 2 do Itapoã.

O projeto funciona continuamente de janeiro a dezembro. Nesse período, os alunos participam de atividades esportivas e pedagógicas, com foco na educação ambiental, visando o fortalecimento da integração e autonomia social

Para motivar ainda mais a garotada e apoiar os valores da comunidade, a Caesb foi buscar o talento do artista plástico Anderson Minoru Oliveira Kasegava para transformar os muros do espaço onde funciona o projeto no Itapoã. Minoru, que mora na cidade, fez pinturas em grafites que encantou alunos, pais e professores. O artista assina painéis grafitados em muros de diversas escolas do Distrito Federal.

O estudante Miguel Lorenzo, 9 anos, entrou no projeto em Ceilândia, no início de maio, e já tem muita história para contar. “Aqui cada dia temos uma coisa diferente”, relata. “São muitas brincadeiras. Os professores me ajudam muito e são bem legais. Tenho feito novos amigos aqui no Golfinho”.

A mãe de Miguel, Lorena Fidelis, aprova o projeto. “Miguel está aprendendo bastante”, garante. “Tenho notado o desenvolvimento dele e a animação que ele tem quando vai para o Golfinho. Sem falar também nas novas amizades que está fazendo”.

O artista plástico Anderson Minoru Oliveira Kasegava deu cara nova aos muros do espaço onde funciona o projeto no Itapoã

Conheça a iniciativa

O Projeto Golfinho foi criado há 22 anos na Caesb para atender crianças e adolescentes de 6 a 14 anos em situação de vulnerabilidade social, matriculados em escolas da rede pública de ensino do DF. Essas instituições parceiras realizam o encaminhamento ao programa. Os beneficiários são oriundos de famílias de baixa renda e residentes nas cidades de Ceilândia, Sol Nascente, Itapoã e Paranoá.

O programa funciona continuamente de janeiro a dezembro. Nesse período, os alunos participam de atividades esportivas e pedagógicas, com foco na educação ambiental, visando o fortalecimento da integração e autonomia social, com a disseminação de valores éticos e construção da cidadania.

A Caesb mantém o projeto disponibilizando instrutores, educadores, alimentação, transporte, material pedagógico e esportivo, tudo contratado por meio de licitação pública. Quem coordena o projeto é Gerência de Qualidade de Vida e Responsabilidade Social da companhia. Não há qualquer tipo de patrocínio externo ou convênio que resulte em despesas para a Caesb.

Com informações da Agência Brasília

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado