Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Projeto contra corrupção vai a 104 escolas do DF

Por Arquivo Geral 27/11/2017 7h00
Alunos em uma exposição do projeto: ideia básica é envolver todos para identificar e solucionar os problemas nas escola da rede. Foto: Divulgação

Francisco Dutra
[email protected]

Levando os conceitos de cidadania, controle social da gestão pública e os princípios do combate à corrupção, o projeto Controladoria na Escola alcançou alunos de 104 escolas públicas no Distrito Federal. Em resposta às reações positivas de estudantes e professores, a Controladoria-Geral do DF planeja ampliar a iniciativa em 2018, para alcançar 200 unidades educacionais. A longo prazo, a meta é a institucionalização do projeto nos 673 centros de ensino público brasiliense.

“A ideia básica é envolver os alunos na identificação e solução dos problemas nas escolas. Mostrarmos que a escola pertence à eles. O bem público pertence à eles”, conta o controlador-geral do DF, Henrique Ziller, responsável pelo projeto no governo Rollemberg (PSB). Os próprios alunos fazem uma auditoria cívica no colégio, a partir da coleta de informações em um aplicativo. As observações são então consolidados em relatórios, cujos resultados são encaminhados para a Secretaria de Educação.

Crianças e adolescentes então escolhem uma problema para resolver junto com a direção escolar, na etapa conhecida como “Desafio”. “A garotada reformou banheiros, construiu bibliotecas, criou hortaliças. Fiquei muito impressionado com as respostas e com o senso de responsabilidade deles. É impressionante”, afirma Ziller. Neste ano, a execução do projeto custou no total R$ 450 mil para o erário.

Para trabalhar os conceitos no campo lúdico, o projeto apresenta uma peça de teatro, adaptada da obra “O Auto da Barca do Inferno”, escrita pelo autor português, Vicente Gil. A versão “O Auto da Barca da Cidadania” foca na valorização da cidadania e da participação popular na solução dos problemas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estudantes também produziram um vídeo sobre a “Lei de Acesso à Informação”. Segundo o controlador-geral, cada passo foi pontuado. No dia 8 de dezembro, as 10 escolas com maior pontuação receberão uma premiação em dinheiro. O 1º Prêmio Escola de Atitude distribuirá R$ 140 mil para o investimento direto nas unidades educacionais. Os recursos poderão ser empregados para a soluções levantados nas auditorias cívicas ou novas questões estruturais.

Participação na campanha nacional

O projeto Controladoria na Escola está alinhado com a campanha nacional “Todos Juntos Contra à Corrupção”, conduzido pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla). Na avaliação do controlador-geral do DF, a experiência brasiliense tem fôlego para ser selecionado para o banco nacional de iniciativas, em 4 de dezembro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Visitamos duas escolas em unidades prisionais, para jovens e adolescentes. Fizemos um trabalho emocionante. A Unidade de Internação de São Sebastião, já tinha o projeto Autonomia e resolveu participar conosco. Eles tiveram a oportunidade de reformar a ala aonde estão. O resultado foi emocionante e surpreendeu às próprias famílias deles”, lembra Henrique Ziller.

Três servidores da Controladoria-Geral do DF fizeram parte da organização da campanha “Todos Juntos Contra à Corrupção”. Resumidamente, o projeto valoriza a honestidade e luta contra a corrupção em qualquer patamar, seja vida familiar, social e na Administração Pública.

Saiba mais

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • O projeto nasceu no ano passado, passando por 10 escolas. Inicialmente, o foco era outro: a rede pública de saúde. Contudo, a resposta no meio escolar foi mais animadora.
  • Segundo Ziller, a institucionalização do projeto deve ser construída na base de consensos dentro da Administração Pública e não por decretos e projetos de lei. Nesta linha, boas práticas devem ser empregadas naturalmente, sem aumentar a burocracia pública.
  • A Enccla busca a construção de rede nacional de combate à corrupção e má gestão pública.
  • Neste ano, o movimento busca fomentar uma cultura que naturalmente terá uma postura preventiva contra qualquer desvio de conduta e gestão.






Você pode gostar