Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Preços altos de leite e café afetam brasilienses

O preço dos produtos subiram devido a diversos fatores, como a inflação no país, o período de seca e as despesas gerais

Marcos Nailton
[email protected]

Com a alta da inflação no país, diversos produtos estão com o preço elevado, entre eles o leite e o café, itens presentes nas refeições dos brasilienses. De acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o preço do leite captado em maio deste ano subiu 4,4% em relação ao mês de abril. Desde janeiro de 2022, o leite no campo já acumula um aumento de 14,5%.

Em uma apuração feita pelo Jornal de Brasília, foi possível encontrar em um supermercado no Guará 2 o leite integral mais barato sendo vendido a R$ 7,29 e o mais caro a R$ 7,99. No caso do café moído, a variação foi maior, em um pacote de 500g os preços eram de R$ 11,79 o mais barato e de R$ 18,79 o mais caro.

A auxiliar de serviços gerais Tatiana de Souza está tendo de se adaptar aos textos. Tatiana conta que o leite em caixa acabou se tornando a última opção na hora de fazer as compras porque o leite em pó rende mais e acabou virando preferência na sua residência. “Está sem condições comprar o leite a esse valor, então eu acabo escolhendo em levar o leite em pó, que ao meu ver acaba rendendo mais e está bem mais em conta. Até o leite de saquinho está caro”, contou.

Ao JBr, o Zootecnista e coordenador de ruminantes e equídeos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do DF (Emater-DF), Maximiliano Cardoso, disse que o aumento do leite se deve a três fatores: o inverno que resulta na seca; o custo dos insumos e fertilizantes, que fazem parte da alimentação do gado; e devido a pequenos e médios produtores saírem da atividade por não suportarem a diferença dos custos de produção.

“Um dos fatores é a entrada no inverno que é o período seco do ano, onde a maioria das pastagens produz no período chuvoso, então na época das águas, as pastagens têm um potencial produtivo de cerca de 25% a 30% do que ela produz no período do ano todo. Então nesse período agora você tem a diminuição da quantidade e da qualidade desse pasto, isso leva ao uso de insumos ou alimentos para complementar a deficiência da pastagem nesse período”, explicou.

O coordenador ainda conta que os insumos têm o preço regido pelo mercado internacional pois são commodities. Segundo ele, a alimentação do gado leiteiro representa cerca de 60% a 70% nos custos operacionais do produtor. “O valor de mão de obra subiu, diesel e transporte rodoviário tiveram uma elevação, então isso vai favorecendo que aumente o custo de produção no período da seca devido a isso”, contou Maximiliano Cardoso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alta no preço do café

No Dia Nacional do Café, saiba os momentos do dia em que uma xícara da bebida cai bem
Foto: Divulgação

No caso do setor cafeeiro, os preços do café moído subiram 56,87% para o consumidor no acumulado de 12 meses até janeiro deste ano. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o indicador oficial de inflação calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em entrevista, o militar e morador da Vicente Pires, Thiago Costa, contou que não vive sem café e que toma todos os dias, principalmente durante o trabalho para recompor as energias. Segundo ele, mesmo com os preços altos do grão, a bebida é indispensável, porém na hora de ir ao supermercado comprar o produto a quantidade diminuiu.

“Eu dou preferência pelas marcas que eu já conheço e considero melhores, nisso eu vejo qual que está mais em conta, o que tiver eu acabo levando. Eu consumo em média quatorze xícaras na semana, em média duas por dia”, contou.

De acordo com o IBGE, o efeito do clima adverso impactado pela seca e geadas e a inflação no produto,combinados, acabam sendo fatores determinantes para o aumento no preço do café.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar