Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

PM que matou ex-namorada e atirou contra professor de academia se entrega

Por Arquivo Geral 05/05/2018 9h27
Reprodução/Facebook

O soldado da Polícia Militar do DF (PMDF) Ronan Menezes se entregou à polícia por volta das 22h desta sexta-feira (4), em companhia de uma advogada, conforme a própria corporação. Ele é suspeito de, no início da tarde, ter matado com cinco tiros a ex-namorada, Jéssyka Lainara Silva, de 25 anos, e atirado três vezes contra o professor de academia Pedro Henrique da Silva Torres, de 29 anos.

Ainda segundo a PMDF, Ronan se apresentou ao oficial do dia no 10º Batalhão de Ceilândia, onde estava lotado no Grupo Tático Operacional (GTop), e foi encaminhado ao 19ª Batalhão, dentro do Complexo Penitenciário da Papuda. Ele foi detido em flagrante e permanecia preso até por volta das 9h deste sábado (5) na instalação popularmente conhecida como Papudinha.

Leia Mais: “Onde está minha filha? Cadê a Jéssyka?”, indaga pai de jovem morta por PM

Leia  Mais: Professor de academia baleado por PM não tem morte confirmada

O desenrolar

Na versão da polícia, o soldado foi à casa de Jéssyka Lainara, na QNO 15 de Ceilândia, por volta das 14h de sexta-feira (4) e matou a moça após efetuar cinco disparos de revólver. Em seguida, foi para uma academia na EQNO 2/4, na mesma cidade, onde atirou três vezes contra Pedro Henrique, atingido no peito, na mão e na perna e encaminhado ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC) após o atentado.

Na mesma tarde, familiares do professor de academia afirmaram à reportagem do  JBr que ele não havia resistido aos ferimentos, mas a informação não foi confirmada por órgãos oficiais até o momento. A última atualização da Polícia Civil, que investiga o caso, dá conta de o homem ter chegado em estado grave à unidade de saúde. A Secretaria não divulgou a situação da vítima quando questionada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A repercussão

A rua da casa onde Jéssyka Lainara foi morta ficou interditada durante o dia. Familiares, amigos e vizinhos aguardaram a retirada do corpo e se mostraram consternados. O pai da moça tentou invadir a residência, fechada para perícia, e foi impedido por familiares. “Onde está minha filha? Cadê a Jéssyka?”, gritava o homem.

Pai de Jéssyka se desespera ao saber sobre a filha Foto: João Stangherlin

Tia da vítima, Elaine Gomes, 59 anos, definiu a situação como desesperadora. “Ela tinha acabado de passar no concurso do Corpo de Bombeiros. Ele era muito ciumento. Ela não tinha nada com o rapaz da academia. Ele matou porque era muito possessivo”, acusou.

Outros parentes e amigos se manifestaram por meio das redes sociais e também falaram sobre o caráter transtornado do policial em relação à mulher com quem havia se relacionado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

*Com informações de Rafaella Panceri

 








Você pode gostar