Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

PCDF busca prevenir o “Estelionato amoroso”

Os investigadores apuram casos em que estrangeiros tem conseguido enganar vítimas (sempre mulheres) e extrair delas bens e dinheiro, por meio da modalidade

Por Guilherme Gomes 22/04/2021 11h42

Por meio de uma cartilha, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) tenta prevenir o “Estelionato amoroso”. Por meio das Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (DEAM’s I e II), os investigadores apuram casos em que estrangeiros tem conseguido enganar vítimas (sempre mulheres) e extrair delas bens e dinheiro, por meio da modalidade.

A partir de sites de relacionamento ou redes sociais, os autores identificam as vítimas (com idades geralmente entre 40 e 70 anos) e passam a estabelecer relação supostamente amorosa, iludindo as sentimentalmente as mulheres. Com o tempo, começam a pedir ajuda financeira, prometendo recompensa ou ressarcimento futuro. As vítimas, se valendo da confiança conquistada – às vezes até em razão de fotos/vídeos íntimos com eles compartilhados, acabam acreditando nos pedidos e fazendo a transferência de valores ou de bens.

Após perceber que foi enganada, e com prejuízo financeiro, comumente a mulher sente vergonha de denunciar, com receio de ter sua intimidade exposta.

A delegada titular da DEAM I, Ana Carolina Litran, diz que, de 2019 até abril de 2021, cerca de 20 ocorrências do gênero estão sendo apuradas pela Unidade – crime capitulado no artigo 171 (estelionato), do Código Penal Brasileiro.

Cartilha

A fim de enfrentar essa modalidade de delito, foi elaborada uma cartilha digital com informações que ajudam a mulher a identificar se está sendo vítima de tal crime, bem como os procedimentos necessários para proceder à denúncia. “As vítimas não devem sentir vergonha por terem sido enganadas. Elas não estão sozinhas. Nossas DEAM’s estão prontas para receber os seus registros, bem como acolhê-las nesse momento delicado”, frisa a delegada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A PCDF reforça que, caso não deseje fazer a comunicação do fato presencialmente, as vítimas podem fazer
registros pela Delegacia Eletrônica (https://www.pcdf.df.gov.br/servicos/delegacia-eletronica) ou ainda pelo
Telefone 197

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar