Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Moção de repúdio de autoria de Claudio Abrantes é aprovada

Claudio Abrantes frisou que seu posicionamento não se dá em função de ser católico, uma vez que seu histórico inclui posicionamentos favoráveis a diversas religiões, como evangélicas, espíritas, de matrizes africanas

Na terça-feira (19), foi aprovada na Câmara Legislativa do Distrito Federal a moção de repúdio de autoria do deputado distrital Claudio Abrantes a pronunciamento do deputado estadual Frederico D’Avila (PSL-SP), realizado no último dia 14, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp)

Em seu discurso, o parlamentar de SP desfere diversos ataques ao Papa Francisco, ao arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes e à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Antes da aprovação da moção, Claudio Abrantes falou no Plenário sobre sua proposição. “Ele despejou sobre a CNBB todo o seu ódio, com palavras de baixo calão, chamando o presidente da CNBB de vagabundo, de safado. Dizendo que (os membros) são safados, hipócritas, dizendo que a CNBB não se preocupa com a vida religiosa das pessoas”, disse. “Além disso, chamou o Papa Francisco de vagabundo. Tudo isso porque o bispo Dom Orlando Brandes disse que Pátria amada não é Pátria Armada”, completou.

Claudio Abrantes frisou que seu posicionamento não se dá em função de ser católico, uma vez que seu histórico inclui posicionamentos favoráveis a diversas religiões, como evangélicas, espíritas, de matrizes africanas. “É ultrajante ver um deputado subir numa Assembleia Legislativa tão antiga como a de São Paulo para para vociferar ódio. O que não precisamos no País hoje são de falas como a dele”, explicou.

O deputado distrital defendeu o papel da CNBB e do Papa como lideranças religiosas e que dialogam com todos os setores da sociedade. “Nós podemos até discordar da crença de qualquer um, mas jamais ofendê-la”, finalizou Claudio Abrantes.








Você pode gostar