Brasília

Mesmo com crise, cartórios do DF passam por modernização

Por Arquivo Geral 21/02/2019 7h00
Allan Guerra enaltece os investimentos feitos pelos cartórios do DF nos últimos anos. Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília.

João Paulo Mariano
[email protected]

Modernização e desburocratização foram as palavras-chave para os responsáveis pelos cartórios do Distrito Federal nos últimos anos. Tanto que todas as certidões já são digitalizadas e uma via física do documento pode ser obtida em qualquer unidade, mesmo que não seja a de origem dele. Para este ano, a previsão é de mais mudanças. O único entrave é o receio de uma crise financeira, devido à estagnação da tabela de taxas – não reajustada há décadas.

Entre as novidades para 2019 está uma nova parceria entre o Governo do Distrito Federal e a Associação dos Notários e Registradores do DF (Anoreg-DF). Até o fim do primeiro semestre, a intenção é implementar um cartório dentro do sistema prisional.

O presidente da Anoreg-DF, Allan Guerra, conta que as negociações começaram assim que o governador Ibaneis Rocha assumiu o poder e já estão avançadas. “Hoje, para fazer qualquer procedimento, o detento precisa entrar com um pedido e obter escolta de servidores para acompanhá-lo. É um gasto grande que será evitado”, avalia, ao prever a economia ao Estado.

As negociações para a assinatura do convênio entre Anoreg-DF, a Vara de Execuções Penais (VEP) e a Secretaria de Segurança Pública (SSP), segundo Guerra, estão avançadas e logo se resolverão. As maiores demandas dos detentos do Complexo da Papuda são reconhecimento de paternidade, 2ª via de inúmeros documentos, procurações e realização de casamentos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além desse futuro convênio, já existe uma parceria entre o governo e a Anoreg para facilitar registros de terrenos de condomínios horizontais ou de terras que ainda vão passar por registro.

O Distrito Federal conta com 37 cartórios para todos os procedimentos, sem contar com o serviço nas maternidades, que faz o registro civil dos recém-nascidos – são cerca de 60 mil ao ano. Porém, devido à crise econômica dos últimos anos, três dessas unidades estão sem direção. Sem condições financeiras, os notários abriram mão da permissão.
A situação está melhor que em 2016, quando 15 unidades ficaram sem direção. Contudo, de acordo com o presidente da Anoreg-DF, sem uma mudança nas taxas cartorárias, o próximo ano vai ser complicado para o setor, que emprega diretamente 1,2 mil pessoas, fora os empregos indiretos. “Entre este ano e 2020 pode haver uma grande crise nos cartórios”, alerta.

Defasagem questionada pela Anoreg

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Allan Guerra, presidente da Associação dos Notários e Registradores do DF (Anoreg-DF), explica que apenas os serviços de natureza econômica, como o reconhecimento de uma escritura, tem cobrança de taxa em cartório. O restante, por exemplo as certidões de nascimento e óbito, são feitas de graça.

A tabela que gerencia essas cobranças é datada de 1967 e nunca foi profundamente alterada. As modificações de valores feitas com o tempo ocorreram levando em consideração a mudança da moeda e os índices de inflação para o período.

“O Distrito Federal é a unidade da Federação com a maior renda do País e a que tem as taxas cartorárias mais baixas”, compara Guerra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tramitação

No segundo semestre de 2017, saiu da Câmara dos Deputados e foi para análise do Senado Federal um projeto de lei, de autoria do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), que pedia a modificação da tabela. Se ocorresse a mudança, sairia da última posição em relação às taxas mais baixas para a quinta.

Como alguns senadores não receberam bem o PL, ele acabou paralisado. Mais tarde, já em outubro do ano passado, o projeto chegou a ser aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), mas está mais uma vez parado. Dessa vez na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), pois os parlamentares tiveram entendimentos diferentes em relação à matéria.

Enquanto isso, as unidades aguardam um desfecho que seja favorável à boa prestação dos serviços e ao cidadão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Serviço

Versão digital
Em um mundo cada vez mais informatizado, os cartórios precisaram se adaptar. Atualmente, todos os documentos pedidos em um cartório podem ser obtidos em versão física e digital.

Para não haver risco de perda de material, são feitos três backups eletrônicos dos documentos produzidos – tanto dos físicos quanto dos digitais. Para encontrar as versões eletrônicas, o cidadão pode acessar o endereço http://www.anoregdigital.com.br/.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outra mudança importante foi a implementação de um sistema conectado entre todos os cartórios para emissão de certidões. Assim, se a pessoa quer a segunda via da certidão de casamento ou de nascimento, não precisa ir ao cartório em que ela foi produzida, pode ir a qualquer um e fazer o pedido.

Para o futuro, a intenção é investir em um banco de dados de impressões digitais que conecte todos os cartórios. Dessa forma, quando uma pessoa der seu nome para pedir documentos, o sistema vai verificar a digital apresentada. Se divergir, não haverá conclusão do processo.

 






Você pode gostar